Mestre do Sabor: conheça o catarinense Dudu Poerner que representa SC na competição

Dudu Poerner
Foto: Globo/Victor Pollak

O catarinense Dudu Poerner é um dos três representantes de Santa Catarina no reality show Mestre do Sabor, apresentado por Claude Troisgros. De Balneário Camboriú, ele é o único participante nascido no Estado. De origem simples, o chef, que hoje tem seu próprio restaurante, começou na cozinha profissional aos 15 anos, mas em casa, ao lado da mãe, já cozinha desde os 10 anos. A gastronomia entrou na sua vida no ambiente familiar, mas logo virou algo profissional. Assim que encerrou o ensino médio, Dudu já iniciou a faculdade de Gastronomia.

Após a graduação, em 2013, foi trabalhar no restaurante Noma, em Copenhagen, na Dinamarca, que possui duas estrelas do guia Michelin, dirigido pelos chefs René Redzepi e Claus Meye.

Mestre do Sabor: representante de SC, Janete Borges apresenta sua cozinha afetiva

— Fiz um estágio lá e pude viver essa experiência incrível de trabalhar em um dos melhores restaurantes do mundo — relembra Dudu, que aponta esse período como fundamental na construção do seu caminho da gastronomia.

— Eles tem uma filosofia de trabalho que é o de utilizar produtos locais, isso é uma coisa que se fala muito hoje, mas na época, há 5 ou 10 anos atrás, quando eles começaram, era uma novidade. Eles traziam isso muito forte. Trabalhar com produto local e direto do produtor, que é o que eu faço hoje também.

Com o objetivo de fortalecer os laços com produtores locais e conhecer tudo o que Santa Catarina poderia oferecer para o seu trabalho na cozinha, Dudu viajou, em 2017, quase 5 mil quilômetros pelo Estado. O resultado dessa imersão pode ser acompanhada no documentário ‘Expedição Sul Soul’, disponível no Youtube.

A valorização das pessoas e dos produtos catarinenses é o que o chef deseja apresentar no reality show, e é também o que ele oferece para o seus clientes no restaurante que leva o seu nome.

Mestre do sabor: conheça Ricardo Caldas, representante de SC, que surpreendeu os jurados

— A experiência está em fazer as pessoas olharem para dentro de si e veem que nelas está a maior riqueza do mundo. Que moram dentro delas as coisas mais lindas que o mundo tem para nos oferecer de uma forma geral — ressalta do Dudu no documentário.

Sobre a participação na primeira edição do programa, o chef revela que cogitou não aceitar o convite.

— Eu cheguei cogitar não participar, pois querendo ou não eu tenho uma carreira para zelar. Mas eu pensei: ‘Por que não?’. ‘Por que não encarar um desafio de algo que pode ser grandioso para mim?’. O que eu tenho para te dizer, é que em um primeiro momento já aconteceu uma repercussão linda. As pessoas já me reconhecem, já estão indo no restaurante e minha expectativa é que eu consiga fazer uma boa participação.

Com “Arroz bomba de galinha caipira com polvo, quiabo e milho verde” ele garantiu seu lugar no reality, no time do chef mineiro Leo Paixão.

Foto: Samuel Kobayashi/Gshow

— Somos um Estado muito rico, quando se trata de cultura, mais ainda. Temos diversas colonizações que influenciaram e que tornam a nossa cozinha tão interessante. Temos uma cozinha de frutos do mar, com poucos quilômetros encontramos uma cozinha caipira, e andando um pouco mais já encontramos a cozinha italiana e alemã, rica em aves, por exemplo. Subindo a serra temos uma gastronomia super regional também. Então a ideia do meu prato foi trazer um pouco disso — explica o chef sobre a escolha do prato.

Dudu segue na competição na fase “Menu Confiança”. Os três times cozinham um menu completo. Cada mestre orienta seus cozinheiros e quem avalia e elege o melhor menu é Claude Troisgros. O time que levar o voto de Claude está imune da segunda prova. A segunda etapa é a “Batalha dos Cucas”. Nela, os chefs cozinham individualmente e voltam a ser avaliados pelos mestres José Avillez, Kátia Barbosa e Leo Paixão, que são responsáveis por definir os dois participantes que deixam a disputa.

DUDU POERNER
Foto: Globo/Victor Pollak

Sobre a disputa e uma possível conquista do prêmio final, Dudu revela:

— Em nenhum momento eu aceitei o convite do programa pensando no prêmio dos R$250 mil, eu penso em algo muito maior que o programa possa me trazer de visibilidade, e que as pessoas possam ir no meu restaurante para conhecer um pouco mais da nossa verdade — finaliza o chef.

Leia mais:

Mestre do Sabor: Santa Catarina terá três candidatos na nova fase da competição

Beto Barreiros: Memória – chefs Pierre Troisgros e Paul Bocuse em visita a Florianópolis

The Voice Brasil: conheça Luana Berti, a catarinense que agita a internet com suas apresentações