#MeToo: “The Economist” faz balanço do movimento que impulsionou denúncias de assédio contra mulheres

Foto: Pexels

Há um ano, surgia o movimento #MeToo, a partir das denúncias de assédio contra o produtor de Hollywood Harvey Weinstein. Um balanço sobre as conquistas e novos desafios da mobilização liderada por mulheres é o tema da reportagem principal da última edição da revista The Economist com o título: “Sexo e poder: #MeToo, um ano depois”. A matéria estampa uma das capas da publicação.

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Swipe to see our two covers this week. As America fights over Brett Kavanaugh and the Supreme Court, we look at the #MeToo movement. A year after Harvey Weinstein was accused of being a sexual predator, women who speak out are taken more seriously and men who abuse are more likely to pay a price. The bad news is that in America, where #MeToo began and where it has gone furthest, men’s predation of women risks becoming yet one more battlefield in the all-consuming culture wars. In Britain we report on the Brexit-obsessed state of politics. The referendum to leave the European Union was a desperate call for broad change—a call that Theresa May’s government has failed to answer. However, as the party conferences proceed, fundamental ideas that have underpinned Western governments of all stripes for decades are at last beginning to be questioned from both right and left. Some of the new ideas are promising; others downright dangerous. #EconomistCover

Uma publicação compartilhada por The Economist (@theeconomist) em

Tudo começou com um caso que veio à tona no jornal The New York Times acusando Weinstein, um dos maiores executivos de Hollywood, de ter assediado, abusado e até estuprado dezenas de atrizes. As primeiras acusações apareceram em 5 de outubro, e ele acabou demitido de sua própria empresa.

Foto: AFP

Nas redes sociais, a hashtag #MeToo ganhou força dias depois, quando a atriz Alyssa Milano pediu às vítimas de assédio sexual que se pronunciassem, em demonstração de solidariedade.

O tratamento abusivo do produtor era sabido por boa parte de Hollywood, como demonstram vários testemunhos que surgiram depois. Entre os nomes, estão os de atrizes como Ashley Judd, Angelina Jolie, Gwyneth Paltrow, Cara Delevingne, Lupita Nyong’o, Lena Headey e Lea Seydoux, que levaram a público histórias similares.

Além de casos envolvendo outros famosos da indústria do entretenimento norte-americano, a publicação cita episódios mais recentes, como o do juiz Brett Michael Kavanaugh, candidato à Suprema Corte americana, acusado pela professora Christine Blasey Ford de agressão sexual em uma festa quando os dois estavam no Ensino Médio. Ele nega que isso tenha acontecido.

Na reportagem, a publicação considera que, um ano depois do surgimento do #MeToo, as mulheres que falam são levadas mais a sério e os homens que abusam são mais propensos a pagar um preço. No entanto, a matéria é taxativa: a união de mulheres em torno do movimento pode ter derrubado poderosos show bizz, mas a luta ainda está longe de acabar.