Ultramaratonista vai correr mil quilômetros em prol do Hospital Infantil

Aos 62 anos, Djalma Moura terá que percorrer 100 km por dia e diz “nós temos muito que agradecer”

Djalma Moura. Foto Arquivo pessoal

Para Djalma será um desafio e tanto. Entre os dias 19 e 28 de setembro, Djalma Moura precisa correr 100 km por dia para completar os 1.000 km da prova “1.000 km Brasil”, que vai acontecer no Rio de Janeiro.

Tudo começou 17 anos atrás, quando Djalma, engenheiro de minas, sentiu a necessidade de ter maior contato com a natureza. A profissão que exige o contato diário com o subsolo deu a ele o desejo da prática de esportes. O grande sonho era competir na famosa corrida de São Silvestre e foi essa a inspiração para os primeiros passos e treinos.

Em 2004 foi a grande estreia do novato corredor, que já estava no auge dos 48 anos e mesmo assim cumpriu a prova e completou o percurso de 15 km, na disputada corrida de 31 de dezembro.

– Aos poucos o meu corpo foi aceitando – complementa Djalma.

E de lá pra cá, diante de muito treino, o corredor foi ganhando destaque, o corpo adquirindo resistência e, assim, já soma 16 maratonas concluídas. Entre elas a Antartic Ice, Maratona de dificuldade extrema, onde 55 atletas, de diversas partes do mundo, percorrem 42 km no Sul da Antártida com a sensação térmica de -30ºC. Djalma era o único brasileiro na competição e fez um tempo fantástico de 5h e 1min.

Histórias que rendem um livro

Desde então são muitas histórias e curiosidades que até rendem um livro. Como uma corrida no Polo Norte, onde a pista de corrida era sobre uma placa de gelo flutuando no oceano e a sensação térmica no local era de -50ºC. Além do Desafio Mundial de Maratonas que consiste em correr 7 etapas em 7 continentes, em 7 dias. Djalma foi um dos 61 atletas, e único brasileiro, que completou a prova e sentiu na pele a diferença de até 50ºC de um continente para o outro.

Ação Social

A ideia de correr a maior ultramaratona da América do Sul, a 1.000 km Brasil, veio com a vontade de ajudar o próximo. Para Djalma as provas de corrida têm bastantes expectadores e muita visibilidade e, dessa forma, deve haver um retorno para a sociedade. Assim surgiu o projeto “1.000 km do bem”, onde qualquer pessoa poderá comprar 1 km, no valor de R$50,00. O dinheiro será revertido para a AVOS – Associação de Voluntário de Saúde do Hospital Infantil Joana de Gusmão. “Eu quero correr em prol das crianças que precisam. A ideia surgiu e vamos colocar em prática! Nós temos muito que agradecer”, finaliza Djalma.

As doações poderão ser feitas através do link: www.vakinha.com.br entre os dias 29/07 e 30/09.

Leia mais:

A força de um pai: Eduardo Corte encontrou apoio nas redes sociais

Conheça os principais tratamentos faciais masculinos 

A sensibilidade da arquitetura em quatro bares do centro de Florianópolis