Conheça quatro iniciativas de moda com impacto positivo em Santa Catarina

Designers catarinenses estão produzindo moda com propósito em diversas áreas

cidades invisiveis
Giulia Costa com a nova coleção do Cidades invisíveis (Foto: Divulgação)

Muitos designers catarinenses estão produzindo moda com propósito, seja por meio do consumo consciente, ações de sustentabilidade ou causas sociais. Com a ajuda da influencer Stefanie Graczcki, que tem um trabalho de valorização da indústria local, separei alguns projetos que merecem ser divulgados pelas ações de impacto positivo que estão realizando.

Cidades invisíveis

11O projeto Cidades Invisíveis já beneficiou, ao longo de seis anos, mais de 15 mil pessoas que vivem em regiões de vulnerabilidade da Grande Florianópolis. No intuito de angariar fundos, conta com uma loja online que vende produtos ligados ao universo da moda. E o Cidades Invisíveis acaba de lançar uma collab com o renomado fotógrafo Jacques Dequeker, que já clicou grandes estrelas da moda, como Gisele Bündchen. A coleção, super street, conta com camiseta, moletom e jaqueta e já está disponível no site.

Très Deyò

TRÈS DEYÒ
Foto: Divulgação

Ainda na Capital, Taisse Marcos de Souza desenvolve um trabalho social com mulheres haitianas imigrantes/refugiadas que resulta em peças atemporais, cheias de vida, com a utilização de materiais de refugo, dando assim ressignificado a retalhos e aviamentos que seriam jogados no lixo.

Saiassim

Saiassim
Foto: Divulgação

Em Blumenau, com o intuito de instigar, inspirar e impactar positivamente o mundo, nasceu a marca Saiassim, que com muito bom humor desenvolve camisetas que não utilizam exploração animal (humana ou não). Além de terem em seu DNA uma responsabilidade socioambiental, ainda valorizam a mão-de-obra local,
fortalecendo assim a economia regional.

Rust Miner

RUST MINER
Foto: Divulgação

O designer de moda Raphael Fagiolo, em parceria com o profissional de marketing Léo Begin, garimpa em sucatas de ferro-velho, oficinas e antiquários materiais que estão no fim de sua vida útil, como engrenagens, arruelas, porcas, tecidos, couro e fibras, que são transformados em acessórios e elementos de decoração com acabamento extremamente refinado, mas sem perder a essência e história. A marca, que nasceu em 2012 com foco no varejo, retornou ao mercado recentemente com nova estratégia de negócios mais focada no atacado, mas mantendo seu DNA de sustentabilidade.

Leia mais colunas de Luca Koch