Moda e arquitetura em movimento

Camisa Mara Mac, saia Lorane, brincos Gabriela Faraco e sapatos Capodarte. Foto: Dari Luz/Especial

A maior mudança que está ocorrendo na moda e no design são as marcas tradicionais descobrindo que não podem mais se garantir com os louros que ganharam no passado. O consumidor, cada vez mais exigente, não ficará facilmente impressionado como costumava ser.

O conceito de “Novo Luxo” tem uma abrangência, e impactos enormes, na moda, design, no turismo e no setor hoteleiro que deverão se reinventar, e inventar, sem limites com novas equipes de vendas, serviços e criação de novos relacionamentos e experiências. Terão que pensar , e repensar, da maneira mais criativa possível, utilizando “não-fórmulas” para clientes altamente exclusivos. Não é algo que iremos notar da noite para o dia, isso exige um verdadeiro compromisso de transformação do paradigma atual.

 

Novo olhar

O luxo está sendo repensado já faz algum tempo e para seduzir o novo consumidor, a indústria precisa mudar. Acompanho evoluções neste sentido pelo mundo, através das minhas viagens e aqui, bem perto, com marcas que já adotaram esta nova postura. O dono da Osklen, Oskar Metsavaht, já falava em 2012, no evento Rio + 20, que os produtos sustentáveis só teriam mais espaço na moda se tivessem também qualidade e design: “não adianta ser sustentável, se não for belo e bem feito. E não adianta também ter tudo isso se você não criou uma sedução com a linguagem de moda para ser desejado”, deixou claro em matéria para o site G1 da época. Naquele momento a Osklen já havia desenvolvido 23 tipos de materiais inovadores para suas coleções, através de parcerias com cooperativas e pequenas empresas.

O internacional Kering, grupo cujas marcas incluem Balenciaga, Gucci, Yves Saint Laurent e Bottega Veneta comprometeu-se a transformar seu próprio negócio e a indústria em todos os níveis. Lançada em 2018, a estratégia ética para 2025 afirma: vemos a sustentabilidade como uma necessidade que tem tudo a ver com luxo. O conglomerado francês ficou em segundo lugar como grupo global mais sustentável no Corporate Knights’ 2019 Global 100 Index. O ranking que analisa o desempenho, a longo prazo, das companhias nos aspectos econômico, ambiental e social.

 

Design catarinense

Vestido Single, camiseta Eva, colar e brincos Gabriela Faraco, bolsa Lenny e sapatos Capodarte. Foto: Dari Luz/Especial

Nesta nova era da moda e arquitetura, as mãos habilidosas de um artesão, ou de um artista, nunca estiveram tão valorizadas. O catarinense Jader Almeida se encaixa, e muito bem, neste quesito. Ele comanda com visão estratégica a materialização de seus projetos, uma linha de mobiliário e objetos, que aliam o mais avançado sistema de fabricação serial moveleira, tratamento requintado e insubstituível do acabamento manual.

– Crio peças não para protagonizar um espaço, mas para serem coadjuvantes. Meu design é fruto de um trabalho extremo de simplificação projetual e, ao mesmo tempo, do ponto de vista da produção, minhas peças são muito detalhadas – diz.

Formado em arquitetura, com peças premiadas nos principais concursos nacionais e internacionais de design, Jader conquista cada vez maior destaque e segue aprimorando seu trabalho com a participação em feiras, exposições, visitas técnicas e cursos em diversos países. Em 2019, já faturou os prêmios Good Design Award Chicago – USA com a cadeira BELL, German Design Award 2019 com a poltrona CELINE (nominee), Prêmio Casa Vogue de Design 2019 – Designer do Ano, Prêmio Casa Vogue de Design 2019 – com a coleção AIR (aparadores e mesa de centro).

 

Peças eternizadas

Calça e blusa Alice, argola Gabriela Faraco e sandálias Capodarte. Foto: Dari/Luz

Quando eu vi a poltrona Mole (mesma da foto), desenhada em 1957, soube que seria um caso de amor platônico. Seu criador, o arquiteto carioca Sergio Rodrigues, é um dos grandes mestres do móvel moderno no mundo. Infelizmente faleceu em 2014, ano em que comemorou seis décadas de atuação continuada no design de móveis e na arquitetura. Desde o início suas cadeiras romperam com o sentar elegante e bem-comportado. Robusta, a poltrona é composta de estrutura em madeira maciça torneada, por cintas de couro e almofadões estofados. O móvel convida ao relaxamento e ao aconchego, oferecendo um conforto que lembra o da rede, o mais tradicional equipamento da casa brasileira. O modelo recebeu o primeiro prêmio no Concurso Internacional do Móvel em Cantù, Itália, em 1961.

Outras obras-chave de sua trajetória são o banco Mocho, de 1954, a poltrona Kilin, de 1973 e a poltrona Diz, de 2002, um projeto da sua plena maturidade, apenas em madeira, que permite um extremo conforto ao usuário. Sergio recebeu diversos outros prêmios, entre eles o Lapiz de Plata, na Bienal de Arquitetura de Buenos Aires, em 1982; e o primeiro lugar no 20º Prêmio Museu da Casa Brasileira, em São Paulo, em 2006, pela poltrona Diz. Em 1955 fundou a Oca, um estúdio de arquitetura de interiores, ambientação, cenografia e componentes de decoração aliados a uma galeria de arte e a exposição do mobiliário de sua autoria. Por meio dessa empresa, forneceu parte significativa do mobiliário para os interiores dos prédios da então nascente capital federal, Brasília.

 

Moda e arquitetura

Camisa Mara Mac, saia Lorane, brincos Gabriela Faraco e sapatos Capodarte. Foto: Dari Luz/Especial

Nascida em Florianópolis, a designer Gabriela Faraco começou a montar as suas bijus há 20 anos, em casa mesmo. A mãe vendia para as tias e a menina, na época com 14 anos, vendia para as amigas no colégio. Típica história adolescente que poderia ter caído no esquecimento, caso o talento já não fosse nato.

Hoje Gabi cria quatro coleções ao ano, vende para lojas de todo o Brasil e no exterior, como Miami e Amsterdam, e toca uma loja no centro da capital.

– Minha intenção é estar presente em mais de 300 pontos de vendas pelo Brasil em dois
anos. Atualmente tenho minhas peças em 100. Minha ideia é abertura de franquias e acredito que em dois anos isso já seja viável pois estamos nos estruturando – revela.

A designer comanda tudo de perto, da criação às vendas, porém com a grande demanda de coleções tem “um braço” que a ajuda em alguns desenvolvimentos fora do teu atelier.
Sobre a sua inspiração revela que:

– Gosto muito de viajar e acredito que viagens são sempre a minha maior fonte de inspiração. A nova coleção, por exemplo, foi toda inspirada em um arquiteto francês chamado Joseph Dirand que realiza projetos incríveis e que conheci após almoçar num restaurante, com projeto assinado por ele.

 

Fica de olho

Queridinhos
Há algumas tendências da moda que não podem ser encontradas em nenhuma década em particular, mas são cobiçadas em qualquer tempo. As últimas passarelas mostraram os anos 1970, 80 e 90, dos ombros largos às bolsas micro, aliás, um modelo bem pequeno e estruturado que pode ser a nova sensação da estação. Trata-se de um acessório quase que impraticável que cabe dentro, tipo, um esqueiro! O absurdo faz parte do charme. Jacquemus, jovem estilista francês e queridinho das fashionistas, criou a peça batizada de Le Chiquito e que já virou febre entre as antenadas na moda.

Acessório da vez
Siga sua intuição e aperte os cintos! Tai um look que gosto! Cinto em cima de blazers, camisas, camisetas e vestidos. Eles podem ser finos ou grossos. A melhor parte dessa tendência é que você não precisa investir muito em vários looks, basta comprar um cinto novo e bonito e brincar!

Cores de primavera, amo!

Roxo antigo
Ano passado o rosa antigo reinou absoluto, mas de agora em diante abra alas para o roxo que pode ser num look monocromático, ou um toque de lavanda nos acessórios.

Pressed Rose
Leve o ar e estilo princesa até o âmago! O Pressed Rose é a cor que engloba toda a feminilidade descarada e icônica das passarelas. Este precioso rosa pastel possui apenas um toque de calor, especialmente, quando comparado ao seu parente próximo,o Sweet Lilac.

Lilás doce
Este rosa bebê tem um toque de lavanda, tornando-o uma das opções de cores mais lindas da primavera/verão.
É um tom suave, feminino, mas não doentio, elegantemente, minimalista.

Açafrão
O tempero homônimo está tendo um momento de glória graças aos benefícios à saúde. Se você não planeja tomar sucos ou fazer máscaras faciais com iogurte, talvez possa absorver alguns desses benefícios usando a cor como uma das tendências de cores.

Gema de ovo Pastel Amarelo
Esta linda sombra de gema de ovo combina bem com outros pastel, para o visual perfeito durante o dia de primavera.

Lemon Verbena
Combina especialmente com alguns dos azuis e tons pastel que também vimos
nas passarelas.

Verde neon
Todos os tipos de neons apareceram como parte das tendências de cores da
primavera/verão, especialmente nas passarelas inspiradas na sensibilidade punk dos anos 1980.

Prata
O único metal desta lista, com um ponto muito merecido. A prata é uma cor que é simultaneamente luxuosa, mas feroz, futurista e histórica e, de fato, nas passarelas vimos o shape em todas essas interações.

 

Participaram deste editorial

Produção executiva, produção, styling, pesquisa de moda: Lise Crippa
Modelo: Clari Iagher/ DN Models
Fotos e tratamento de fotos: Dari Luz
Produção de cena: Larissa Maldaner
Beleza: Larissa Maldaner
Agradecimento: Icon Interiores Florianópolis
Marcas e lojas participantes: Alice, Capodarte, BK Concept, Tida, Loja Maria Claudia, Eva, TIG Renata Figueiredo, Iorane, Single, Mara Mac, Rosa Dahlia, Gabriela Faraco e Lenny.

 

Leia mais:

Color bloking: os últimos tons do inverno

Kaftan: peças viram itens super fashion

Moda: tons intensos trazem elegância para a estação fria