Com tanto crime, falta de médico, grandes tragédias, o que é morrer de causa natural?

Morre-se de político corrupto, que desvia verbas públicas em prol de interesses particulares, e também de político covarde

Foto: Pexels

Diálogo entre duas mulheres, entreouvido numa sala de espera: “De que ela morreu?” Respondeu a outra: “De causa natural”. Fiquei pensando: então a coitada deve ter morrido de latrocínio.

Hoje em dia, morrer de causa natural é morrer por ter cruzado com um garoto viciado ou um brutamontes colérico que não controla seus atos e atira. É morrer da facilidade com que delinquentes portam armas. É morrer de bala perdida. Uma morte natural, naturalíssima, está todos os dias nos jornais.

Dão entrada em hospitais centenas de pessoas com infecções, tumores, edemas, intoxicações, mas elas não morrem dessas doenças. Antes, morrem de falta de leito. De falta de médico. O natural é que morram de falta de atendimento.

Há quem esteja morrendo de lipoaspiração: a paciente escolhe uma clínica clandestina, que não possui o equipamento cirúrgico necessário, e morre se for alérgica a algum medicamento ou se tiver uma parada cardíaca durante a anestesia. Morre de falta de socorro adequado.

Tanto quanto de raios, morre-se também de sequestro-relâmpago. Dependendo do humor dos sequestradores, você volta para casa ou não.

Morre-se de ganância, de falta de alvarás, de desprezo pelas regras de segurança, de material de quinta categoria, de prazos de validade vencidos.

Morre-se de falta de policiamento nas ruas, morre-se de invisibilidade.

Morre-se de calçada irregular, de estrada esburacada, de rodovia mal sinalizada, de obra sucateada. A gente se mata para pagar os impostos e eles continuam não sendo reaplicados em nós, e sim no sustento de mordomias parlamentares.

Morre-se de político corrupto, que desvia verbas públicas em prol de interesses particulares, e também de político covarde, que não enfrenta o esquemão contaminado de seus pares.

Morre-se de trote. Escolha a modalidade mais natural: o trote na universidade, praticado por estudantes bestiais, ou o trote telefônico, aquele que mata do coração os que não detectam o fajuto golpe do sequestro.

E como o próprio nome diz (morte natural), a natureza tem feito sua parte, provocando óbitos por deslizamentos, queimadas, tsunamis, que nada mais são do que revide às agressões que temos cometido contra o meio ambiente. Fazer esse mea culpa causa depressão, que, ironicamente, pode matar também. Liquidamos com o
planeta e conosco mesmo.

Leia também:

“Nós não fomos feitos para ficar sentados”, dizia Marcelo Yuka, que nos deixa uma lição

Leia mais colunas de Martha Medeiros