O seu dom é que ajuda a tornar o mundo menos rude

Foto: Divulgação

Ainda ela, claro. A quantidade de homenagens pelos 90 anos de Fernanda Montenegro será sempre insuficiente diante da grandeza dela. Aproveitando a data festiva, também li “Prólogo, ato, epílogo”, uma forma de me aproximar desta mulher com quem conversei timidamente uma única vez, por um minuto, quando fomos apresentadas por uma amiga em comum. E de conhecer não só a história dela, mas a história do teatro brasileiro.

Entre tantas recordações, Fernanda menciona no livro a época em que era preciso ter uma carteirinha emitida pela Polícia Federal para poder transitar pelas ruas à noite. A ditadura impunha essa obrigação a duas categorias: atores de teatro e prostitutas. Essa abjeta forma de controle acabou fomentando um preconceito que, mesmo já tendo diminuído, sobrevive de forma subliminar: a de que toda atriz é puta.

Quando menina, achava a coisa mais linda ser atriz, mas nem cogitei em me aventurar. Fui criança nos anos 1960 e início dos 1970, quando os costumes começavam a ser revolucionados, mas não ainda na minha casa. Meus pais, mesmo sendo frequentadores do melhor teatro, não aplaudiriam: sonhavam em ter uma filha “normal”, e eu, sem vocação para rebeldia, fui fazer Comunicação e virei publicitária. Mais adiante, acabei dando um jeito de atuar: passei a criar personagens fictícios através da escrita, que também é uma forma de ir além do próprio eu.

Ditadores perseguem artistas porque sabem que eles são porta-vozes dos desejos da população, o que consideram subversivo, por isso estigmatizam a classe e, muitas vezes, censuram. Já o cidadão comum não tem razão para desprestigiar um artista, a não ser que se sinta incomodado por um estilo de vida que, vá saber, evidencie as frustrações. O artista, mesmo não sendo célebre, vive da arte, ama o que faz, usa os sentimentos como matéria-prima, reconhece a comédia e a tragédia da nossa humanidade, analisa as questões com a mente aberta, defende a liberdade e não se deixa regrar por convenções. Uma afronta aos que não conseguem lidar com essa entrega absoluta a existência plena. O fascínio pode acabar virando raiva. Joga pedra na Geni!

Todas as pessoas têm ao menos um talento. Alguma coisa você faz muito bem, mesmo que de forma amadora. Trate com gentileza o artista que você também é. O seu dom, ainda que mais modesto que o de Fernanda Montenegro, é que ajuda a tornar o mundo menos rude.

Leia mais:

Joker: mais um ser humano que precisa de amor e atenção

Uma oração para os novos tempos

Um amor clandestino, guardado em segredo, e que nem sempre é sinal de infidelidade