Não poupe nada na vida. Invista sempre!

Foto: Pixabay

Não poupe esforço. Poupar esforço geralmente é ir pelo caminho mais fácil, buscar atalhos, deixar o trabalho por conta dos outros. É desistir instantaneamente se a coisa parece muito difícil, estressante ou demorada. Invista seu esforço: escolha com sabedoria onde e quando aplicá-lo; quais empreendimentos e objetivos realmente valem a pena. Invista direito, e invista bem – e o resultado vai ser muito mais satisfatório que qualquer “poupança de esforço” que você poderia ter feito lá atrás. Não poupe dedicação.

Não poupe tempo. Quem poupa (ou tenta poupar) tempo geralmente está, na verdade, correndo contra ele: colecionando migalhas aqui e ali, minutos “ganhos” por meio desse ou daquele artifício; e ficando furioso quando o trânsito, o trabalho ou algum imprevisto “rouba” alguma dessas horas acumuladas. Em vez disso, invista bem o seu tempo: viva de um modo que você perceba, a cada momento, que você queria estar fazendo exatamente o que está de fato fazendo. E eu não estou defendendo uma postura hedonista, do tipo “jogue tudo para o alto e vá se divertir, porque só se vive uma vez” – porque mesmo a mais tediosa das tarefas ganha outro sentido quando feita com propósito, com um objetivo maior lá na frente. Invista seu tempo na construção do seu patrimônio, em sua saúde mental e física, nos momentos que você passa com a família e os amigos – isso vale mais do que chegar correndo em casa à noite e perceber que “poupou tempo” suficiente apenas para sentar no sofá e ficar sem fazer nada.

Não poupe afeto – carinho, amor, preocupação. Invista seu afeto nas pessoas certas. Hoje em dia muito é dito sobre quem é “trouxa” a ponto de se importar demais com os outros, mas só é “trouxa” quem se importa demais com as pessoas erradas – aquelas que não se importam de volta, que não devolvem o afeto na mesma medida. Poupar seu afeto, guardá-lo só pra você, é inútil: ele enferruja dentro do peito e, pior que desaparecer, vira mágoa e solidão. Transborde afeto, mas faça isso para e com quem merece: quem vai devolver o carinho e o amor a ponto de multiplicá-los. Os melhores investimentos, afinal, são aqueles que fazem o valor inicial render cada vez mais.

Não se poupe – do nervosismo de começar um novo curso ou faculdade, da dor de cabeça de abrir um negócio próprio, das borboletas no estômago ao convidar aquela pessoa para sair pela primeira vez, do suor de cuidar da saúde com um esporte ou o treino da academia, das horas extras necessárias para conseguir o dinheiro para aquela viagem, o apartamento novo ou mesmo a chegada de um filho. Tudo o que vale a pena traz um, dois ou milhares de problemas consigo, pelo menos no início. Não se poupe desses novos começos.

E, olha, eu não sou especialista e nem consultora financeira, mas esse conselho também vale, é claro, para o seu dinheiro. Isso já é uma outra história – mas pode até mesmo ajudar em todos os outros investimentos que eu citei ali em cima.

Leia mais: