Natural do Oeste de SC, Aline Weber é uma das modelos brasileiras mais conhecidas fora do país

Há quase 15 anos, Aline Weber tem uma carreira sólida como modelo internacional

Aline Weber
Foto: Divulgação

Ela já desfilou para grifes conceituadas como Prada, Chanel e Balmain, fez campanhas internacionais, foi capa de revistas influentes, trabalhou com grandes estilistas e fotógrafos. Há quase 15 anos, Aline Weber tem uma carreira sólida como modelo internacional. Talvez por isso seja até curioso o fato de passar quase como uma anônima quando visita Santa Catarina de férias.

Natural de Seara, no Oeste do Estado, Aline mudou-se para São Paulo aos 14 anos e logo em seguida foi para Nova Iorque. Das origens, ela manteve muito forte o amor pela natureza. A modelo é ativista e apoia associações voltadas ao cuidado de animais abandonados, como a ONG Amais, em SC, e a Amigos de São Francisco, em São Paulo.

Aline adotou Rocky, um vira-lata misturado com o Lulu da Pomerânia, após encontrá-lo em um abrigo. Rocky é seu companheiro inseparável nas viagens pelo mundo e ganhou até um perfil no Instagram.

Esse ano, Aline viveu uma experiência diferente: participou do Kuarup, maior celebração do povo do Xingu. Foram 10 dias convivendo com os índios no Mato Grosso e compartilhando o modo como eles vivem, comem e respeitam a natureza.

Com que frequência vem a SC e o que mais gosta aqui?

Meus familiares estão em Santa Catarina e tento ir pelo menos uma vez ao ano para visitá-los. Amo as praias catarinenses, as paisagens naturais do lugar, sinto uma forte conexão com as minhas origens. Seara, minha cidade, tem uma importância enorme na minha formação, o lugar onde tive os meus primeiros sonhos e a base familiar.

O que a Aline de hoje diria para a menina descoberta aos 14 anos em Seara?

Continue firme, você está no caminho certo e não imagina quão forte é. Você vai levar muitos nãos, mas muitas portas vão se abrir também. E por último, mantenha sua opinião. Respeite a opinião dos outros, mas não deixe de fazer aquilo que acredita por alguém não ter concordado. Com amor, respeito, dedicação e compaixão conseguiremos mudar o mundo.

Quais as melhores lembranças da infância?

Lembro de brincar muito na infância. Jogava bola na frente de casa, brincava de detetive, boneca. Tive uma infância muito simples na questão material, mas muito rica. Foi uma infância livre, com muito contato com a natureza.

Que aprendizados da infância foram importantes pra formar quem você é hoje?

Ser verdadeira consigo e com as pessoas, respeitar o seu tempo e o do próximo. Por último, respeitar as pessoas, a natureza e os animais.

Quais conselhos daria para uma menina que está ingressando na carreira de modelo?

Diria que continue firme e acredite em si mesma, mesmo ouvindo não. Faça tudo com amor sempre.

O que gosta de fazer nos momentos de folga?

Gosto de viajar para lugares com muita natureza, meditar, fazer yoga e procurar saber o que está acontecendo no mundo e de que forma posso contribuir.

O que pretende fazer quando parar de modelar?

Quero me engajar mais em projetos ambientais e sociais. Também pretendo morar mais próximo à natureza.

Como foi a experiência com os índios do Xingu? Que lições trouxe dessa convivência?

Foi um aprendizado incrível. Entendi e senti como somos conectados com a natureza, o planeta e tudo o que nos rodeia. Muitas vezes estamos presos na correria do dia a dia e esquecemos de todos esses elos. É lindo ver que quando uma pessoa ajuda a outra, tudo funciona perfeitamente e passamos a entender a importância que a natureza e os animais têm na nossa vida e no planeta. Somos seres de luz e sempre que fizermos as coisas com boas intenções e com amor o universo conspira para que tudo ao nosso redor seja bom. O Xingu é um lugar muito especial e muito rico em todos os sentidos e devemos valorizá-lo e protegê-lo de todas as formas possíveis.

Foto: Arquivo Pessoal

Você é apaixonada por animais. Como atua junto às ONGs que protegem bichinhos abandonados?

No Brasil, sou madrinha de duas ONGS: uma em Santa Catarina, a Associação Amigo dos Animais (Amais), e a Amigos de São Francisco, em São Paulo. São organizações que resgatam animais de rua em situação de risco e/ou doença. Ajudo outras instituições nos Estados Unidos mensalmente e sempre que posso me engajo em alguma ação. Além disso, me tornei vegetariana há aproximadamente um ano. Não como carne “vermelha” há 13 anos e finalmente cortei frango e peixe. Com a diversidade de alimentos que temos hoje em dia, acredito que não precisamos mais necessariamente consumir carne para sobrevivermos.

O que o Rocky representa hoje na sua vida?

Rocky representa o amor. Ele foi adotado em uma ONG americana e diariamente me dá uma demonstração de amor inexplicável. Quando o adotei postava tantas, mas tantas fotos dele, que acabei abrindo uma conta no Instagram só para ele, pois foi a forma que encontrei de postar quantas fotos quisesse. Rocky é o meu parceiro para todas as horas, já viajamos muito juntos, passamos por muitos momentos bons e outros difíceis também. Ele é o meu parceirinho para o que der e vier.

Foto: Arquivo Pessoal

Leia também:

Grazi Massafera fala sobre trabalho, maternidade e relação com Santa Catarina

Renata Kuerten recorda a infância no interior de Santa Catarina

Leia mais colunas de Camille Reis