Seu filho tem medo de provar novos alimentos? Saiba o que é neofobia alimentar

Bem comum que ocorra em crianças entre 1 a 7 anos, podendo parar em pouco tempo ou persistir até a vida adulta

Foto: Divulgação

O nome pode ser estranho, porém muitos de nós tem ou teve esse comportamento em alguma fase da vida, que se dá principalmente na infância. Na verdade, neofobia alimentar nada mais é que o “medo de ingerir alimentos novos” e que no início são considerados estranhos.

Trata-se de uma resistência individual da criança em comer ou experimentar novos alimentos ou aqueles um pouco diferentes do que estão acostumados a consumir habitualmente. Bem comum que ocorra em crianças entre 1 a 7 anos, podendo parar em pouco tempo ou persistir até a vida adulta.

O paladar e o gosto por certos alimentos é um processo complexo que começa a ser estimulado já dentro do ventre da mãe, continua com o aleitamento materno e permanece por um longo período, sendo fundamental à fase dos dois primeiros anos de vida.

Embora possa existir a influência de fatores genéticos, a exposição precoce (na gestação, via leite materno e através de introdução alimentar correta) e repetidas aos diferentes sabores, irá modular o paladar e diminuir o risco de patologias futuras, como a obesidade infantil.

A janela para habituar-se aos sabores é curta e a rejeição aos alimentos é ainda maior após os 4 anos. Alguns estudos referem que é necessário oferecer um novo alimento de 10 a 16 vezes, em dias diferentes, modificando as formas de apresentação do alimento, para que o mesmo seja aceito.

Causas de neofobia alimentar:

* Hipersensibilidade ao gosto amargo dos alimentos – causada pelo polimorfismo no gene TAS2R38 – leva a uma alta percepção do amargo e rejeição de alguns tipos de verduras, legumes e frutas;

* Emoções negativas associadas à exposição aos alimentos (como forçar a comer, televisão sempre ligada nas refeições, ligar a alimentação a emoções, etc);

* Hereditariedade (pais com neofobia alimentar podem ter filhos com o mesmo comportamento);

* Alimentação restrita, com pouca variedade de alimentos.

DICAS IMPORTANTES E QUE NECESSITAM DE ATENÇÃO NESSES CASOS:

1. Expor os alimentos sem pressão e de forma atrativa para que a criança se sinta confortável;

2. Preparar os alimentos junto das crianças;

3. Fazer com que o momento da refeição seja prazeroso com a família;

4. Respeitar os sinais de saciedade da criança, e não a forçar a comer mais do que ela é capaz;

5. Não desistir da oferta de um novo nas primeiras recusas, tente em dias diferentes e em formatos diferentes;

6. Lembrar que os filhos fazem tudo por imitação… inclusive na hora de se alimentar, coma com prazer e de forma saudável, dê o exemplo;

7. Os hábitos alimentares das crianças são formados desde pequenos, tente colocar, sempre que possível, 5 cores no prato!

É POSSÍVEL REDUZIR A NEOFOBIA ALIMENTAR, TENHA CALMA E PACIÊNCIA!

Leia também:

Cada bebê tem seu tempo: tire suas dúvidas sobre introdução alimentar

Leia mais colunas de Carol Bandeira e Silvia Ozcariz