Você sabe, o “obrigado” está em desuso. Agora é “gratidão”

Foto: Pixabay

Reconheço que a idade deixou minha barba branca (esses dias fui fazer uma visita beneficente em uma escola pública e os alunos gritavam, de chacota: “Fábio Assunção!”, o que considerei um elogio e um xingamento ao mesmo tempo) e que tenho uma aparência hippie, apesar de  não ser adepto de alucinógenos nem ser fã incondicional de rock progressivo.

Reconheço ainda que minha aparência faz supôr que pratico yoga (não pratico) e que como alpiste (apenas de vez em quando), mas se tenho alguma coerência estética e comportamental é no uso da palavra “gratidão”.

Você sabe, o “obrigado” está em desuso. Agora é “gratidão”. As pesquisas científicas mostram que funciona: quando você usa uma palavra pouco convencional para agradecer, isso dispara maior satisfação no organismo. É claro, em breve “gratidão” vai ter virado “obrigado” e teremos que inventar uma nova palavra, pra ter mais impacto. Por enquanto, “gratidão” me serve. Falo e ainda faço as mãozinhas juntas apoiadas no peito.

Tudo a ver com a minha barba, minha gratidão é sincera. Me sinto um sortudo todo o tempo. Quando faz sol e posso levar as meninas para a escola a pé. Quando elas dormem na minha barriga no sofá. Quando minha mãe me liga. Quando alguém me abraça inesperadamente na rua. Quando um amigo me diz que vai ser pai. Quando faz frio e posso dormir de calça de moletom. Quando minha sogra faz bolo. Gratidão, gratidão, gratidão.

Se você quer se sentir grato e não sabe como, pense em uma coincidência. Algo que aconteceu sem você esperar e foi bom. Como aquela vez que você encontrou pela primeira vez o grande amor da sua vida. Como esses dias, quando alguém deu passagem no trânsito. Quando você fez aquele exame de saúde e não era nada grave. Ufa! Você tem um coração e ele bate incansavelmente, apesar de você não prestar atenção nele. Você tem um coração que está batendo nesse momento. Se isso não é motivo para ser grato eu não sei o que é.

Minha filha não foi planejada, portanto costumo dizer que foi sorte. Algumas pessoas não acreditam em sorte ou coincidência. Eu disse “boa sorte” para um amigo, certa vez, e ele disse: “a minha sorte faço eu. Sorte é para incompetentes”. Eu não acredito nisso.

Agradeço todos os dias pelas coisas que me aconteceram e estiveram fora do meu alcance. Como a minha mãe ter cuidado de mim. Como a minha esposa estar naquele escritório onde a gente se conheceu. Como a minha filha ter chegado sem que a gente planejasse.

Valeu. Obrigado. Gratidão.

 

Leia mais:

Todas as colunas do Piangers aqui
“Pais-escavadeira”: uma geração ainda mais superprotetora com os filhos
Casais com filhos param de falar palavrão. Você se identifica?