Olheiras: quais os tipos e tratamentos indicados para cada um

Duas dermatologistas explicam as variações do sintoma

olheiras
As olheiras podem ser de quatro tipos: vasculares, pigmentares, estruturais ou mistas. Foto: Amanda Dalbjörn/Unsplash

Sabe aquelas manchas escuras, que surgem abaixo dos olhos? São as temidas olheiras. Conversamos com as dermatologistas Jaciara Hunnicutt e Vanessa Santos Cunha para entendermos um pouco mais sobre elas: quais suas variações, o que pode agravar e tratamentos indicados para cada uma.

Quais os tipos de olheiras

Existem quatro tipos de olheiras, que podem se manifestar pelos mais diversos motivos. Cada uma tem sua especifidade em relação à cor, causa e procedimento indicado para tratamento. Listamos abaixo suas principais características, mas reiteramos a importância de contatar um profissional que faça seu diagnóstico de forma adequada.

Olheiras vasculares

Como são: apresentam coloração avermelhada. As principais causas são distúrbio do sistema circulatório, aumento dos vasos sanguíneos, má circulação linfática/venosa e pele muito fina na região. Vários fatores podem agravar esse tipo de olheira, como retenção de líquidos, estresse, noites mal dormidas ou cansaço.

Como tratar: segundo as profissionais, os procedimentos que melhoram a circulação, como laser e luz pulsada, são as melhores opções de tratamento.

Olheiras pigmentares

Como são: possuem coloração amarronzada ou marrom-acinzentada, e são mais escuras. São causadas pelo acúmulo de pigmentos na pele fina dos olhos. Pessoas com atopia – tendência hereditária a desenvolver manifestações alérgicas, como asma e rinite – têm mais chance de acumular pigmentos. As duas profissionais consultadas confirmam que a exposição solar pode piorar o aspecto das manchas ao longo do tempo.

Como tratar: a dermatologista Jaciara explica que o tratamento ideal depende do tipo de pigmento, que pode ser melanina ou hemossiderina, mas de forma geral, dermocosméticos despigmentantes, peelings e procedimentos a laser fazem parte do tratamento. Vanessa concorda que o melhor tratamento para esse tipo de olheira está no uso de clareadores para amenizar os pigmentos.

Olheiras estruturais ou profundas

Como são: esse tipo de olheira não tem cor, mas cria uma espécia de “sombra” embaixo dos olhos. De todos os tipos, esse é o menos influenciado pelos hábitos de vida da paciente. Na verdade, essas olheiras estão intimamente ligadas à estrutura do rosto. Geneticamente, algumas pessoas têm olhos mais fundos do que outras, por uma questão anatômica. Pessoas que perdem bastante peso podem vir a desenvolver esse tipo de olheira. Pelo emagrecimento da face, o olho acaba por ficar mais fundo.

Como tratar: os preenchimentos têm se mostrado bastante efetivos para estes casos, pois reduzem bem essa “sombra” criada pela olheira.

Olheiras mistas

Como são: normalmente, as olheiras não são isoladas, e sim uma associação de tipos, na qual apresentam características combinadas. Por isso a importância de procurar um profissional para que ele avalie e reconheça qual o diagnóstico e qual o tratamento adequado para você.

Como tratar: de modo geral, para prevenir olheiras, tenha o costume de usar sempre filtro solar, de ter um número adequado de horas de sono por dia (o mais recomendado são oito) e de cuidar da sua pele em geral – o que pode ser feito com cremes específicos para isso.

Leia mais:

Tatuagem nas olheiras: conheça a (polêmica) técnica definitiva usada por celebridades

Xô, efeito panda! 6 coisas que você precisa saber para diminuir as olheiras

Você sabe o que é a carboxiterapia e para que ela serve?