Time’s Up tem bloco em cerimônia do Oscar e celebra igualdade de gêneros

oscar

O #TimesUp ganhou um bloco exclusivo no Oscar. O movimento prega o fim do assédio sexual e a discriminação geral no ambiente de trabalho. A 90ª edição da mais importante premiação de Hollywood prometia mesmo mostrar discursos engajados e trazer manifestações sobre o tema assédio. Afinal, esta foi a primeira cerimônia do Oscar desde os escândalos que levaram ao surgimento de iniciativas como o #MeToo.

Um bloco especial apresentado por Salma Hayek, Ashley Judd e Annabella Sciorra – todas elas sobreviventes de assédio sexual e/ou violência sexual praticados pelo produtor Harvey Weinstein  – a celebrar o momento que Hollywood vive hoje.

“É uma honra estar aqui esta noite. Este ano, muitos falaram suas verdades e a jornada à frente é longa, mas aos poucos, um novo patamar já surgiu”, disse Annabele.

“As mudanças que estamos testemunhando estão sendo conduzidas por poderosas novas vozes, diferentes vozes – as nossas vozes – juntando-se em um coro poderoso que diz: chegou a hora”, destacou Ashely Judd.

“Nós saudamos estes imparáveis espíritos que enfrentaram impressões preconceituosas a respeito de seu gênero, sua raça e sua etnia para contar suas histórias”, finalizou Salma Hayek.

Salma Hayek, que sofreu assédio sexual por parte do produtor Harvey, foi uma das porta-vozes do #Time’sUp

O momento atual na indústria do entretenimento foi destacado em um vídeo após a fala das três atrizes. A representatividade de minorias no cinema em Hollywood foi um dos temas abordados nos depoimentos. Relatos no vídeo de nomes como a diretora Ava DuVernay e a humorista Sarah Silverman destacaram o o abandono de estereótipos. Barry Jenkins falando da importância de filmes como Mulher Maravilha e Pantera Negra

Outro depoimento marcante neste bloco de 5 minutos foi o de Mira Sorvino, também assediada por Weinstein. E a atriz Geena Davis, do clássico Thelma & Louise (1991), disse que ela e Susan Sarandon à época achavam que tudo mudaria, mas que “está acontecendo agora”, ponderou a atriz.

Time’s Up foi lançado no início deste ano e teve seu primeiro momento público de manifestações durante o Globo de Ouro, quando as atrizes vestiram looks de gala em preto para destacar a existência do movimento.

Desde então, o grupo já arrecadou US$ 21 milhões de mais de 20 mil doadores. A verba é destinada a prover assistência jurídica a mulheres que buscarem a organização. Foi divulgado que mais de 1,7 mil solicitações já tenham sido feitas por mulheres de diferentes segmentos de atuação.

– É importante que vocês saibam que o Time’s Up não existe apenas no tapete vermelho – declarou a produtora de seriados e roteirista Shonda Rhimes na semana passada, em  entrevista coletiva. – Aquelas mulheres que vocês viram em tapetes nos representando agora estão trabalhando fora dos holofotes, sendo ativistas – frisou.

Leia mais:
Oscar 2018: Rita Moreno usa o mesmo vestido de quando ganhou em 1962

Oscar 2018: 5 grandes momentos das mulheres na premiação

Lucca Koch: os looks mais falados do red carpet do Oscar 2018!