Outros: nova peça do Grupo Galpão aborda angústias e emoções contemporâneas

Espetáculo da companhia passa por Santa Catarina trazendo discussões sobre a atualidade, ancorado em ampla pesquisa sobre poesia e alteridade

Foto: Divulgação

São situações cotidianas que direcionam o andamento da peça Outros, que chega a Santa Catarina nesta última semana de setembro. Com improvisos e performances entre músicas e danças, o espetáculo dirigido por Marcio Abreu destaca a realidade em cenas fictícias, que provocam reflexões sobre o momento à beira do abismo, e de certa falência do sistema brasileiro, e o lugar do artista e da arte nos tempos atuais.

Desdobramento da elogiada peça “Nós”, a atual obra volta a se debruçar sobre a construção dos movimentos de ruas, transitando por diferentes formas teatrais e ancorada agora numa ampla pesquisa sobre poesia e alteridade. O espetáculo conta com dez atores que se revezam em diálogos sublinhados por críticas, angústias e emoções contemporâneas.

— “Outros” nasce da experiência de “Nós” e dialoga o tempo todo com esse caminho. E vai além, num espetáculo com um enredo bem mais fragmentado em que as fronteiras entre música, teatro, dança e performance parecem ainda mais indefinidas e borradas — afirma o ator fundador da companhia, Eduardo Moreira.

O processo criativo do espetáculo também incluiu  performances individuais e coletivas nas ruas de Belo Horizonte e São Paulo. Nelas, os atores foram desafiados a desenvolver uma ação privada no espaço público.

—Foi um trabalho construído sobre a ideia de busca da alteridade e de pensar em qual seria o lugar da poesia no mundo de hoje. Em determinados momentos, os atores levavam nossa mesa de trabalho para a rua e convidavam os transeuntes a compartilhar conosco os mais diferentes assuntos, dos mais prosaicos aos mais relevantes. Essas ações, junto com uma série de improvisos em que se falava “de alguém que não estava presente”, foram fundamentais para a construção da dramaturgia — comenta Moreira.

O formato levou a uma participação muito intensa dos atores em toda a construção do espetáculo, trazendo experiências da realidade às cenas e situações cotidianas. O estilo de construção e de apresentação do Grupo Galpão confere à companhia o título de mais tradicional grupo de teatro popular do Brasil.

— Nosso teatro sempre buscou uma relação direta com o público e sempre transitou por diferentes formas teatrais, seja na comédia ou no drama, na rua ou no palco, no teatro mais despojado ou estilizado. Isso inevitavelmente, nos levou ao teatro mais popular, sem maiores hermetismos — afirma o responsável pela fundação companhia.

Com sucessos reconhecidos internacionalmente desde o início da década de 1980, o novo espetáculo marca os 37 anos de história do grupo mineiro.

— Os caminhos vão sendo construídos. Mas, sem dúvida, que a necessidade de cruzar fórmulas de sobrevivência foi fundamental para que nos conectássemos com um teatro de cunho mais popular.

Serviço: Espetáculo OUTROS – Grupo Galpão

Onde: Teatro Carlos Gomes, Rua XV de Novembro, 1.181 – Centro – Blumenau

Quando: 24 e 25 de setembro de 2019

Horário: 20h

Ingressos disponíveis pelo site

Grupo Galpão

Criado em 1982, em Belo Horizonte (MG), o Grupo Galpão é uma das companhias mais importantes do cenário teatral brasileiro, cuja origem está ligada à tradição do teatro popular e de rua. Desde o início, o grupo desenvolve um trabalho que alia rigor, pesquisa e busca de linguagem, com peças que possuem grande poder de comunicação com o público. É um dos grupos brasileiros que mais viaja, não só pelo Brasil, como pelo exterior, tendo participado de vários festivais em países da América Latina, América do Norte e Europa. Formado por 12 atores, o Galpão construiu sua linguagem artística a partir de encontros com diversos diretores, como Eid Ribeiro, Gabriel Villela, Cacá Carvalho, Paulo José, Yara de Novaes, Marcio Abreu, entre outros, criando um teatro que dialoga com o popular e o erudito, a tradição e a contemporaneidade, o teatro de rua e de palco, o universal e o regional brasileiro.

Marcio Abreu

Dramaturgo, diretor e ator. Fundador e integrante da companhia brasileira de teatro, sediada em Curitiba. Desenvolve projetos de pesquisa e criação de dramaturgia própria, releitura de clássicos e encenação de autores contemporâneos inéditos no país. Realiza ações de intercâmbio com artistas do Brasil e da França. Entre seus trabalhos estão Vida (2010), texto e direção, baseado em Paulo Leminski; Oxigênio (2010), do russo Ivan Viripaev, adaptação e direção; Isso te interessa? (2011), da francesa Noëlle Renaude, tradução, adaptação e direção; Enquanto estamos aqui (2012), dramaturgia e direção, solo de dança e teatro com a coreógrafa Marcia Rubin; Esta Criança (2012), do francês Joël Pommerat, direção, pareceria entre a Companhia Brasileira e Renata Sorrah. Esse encontro com a atriz gerou ainda outros dois frutos: as peças “Krum” (2015) e PRETO (2017), que tem ainda no elenco, a atriz e dramaturga Grace Passô. Escreveu uma versão de Os três porquinhos para a Commedie Française, dirigida por Thomas Quillardet, com temporada de estreia em 2012, em Paris. Autor de A história do rock por Raphaelle Bouchard, que estreou em Limoges, na França, também em 2012, com a Compagnie Jakart Mugiscué. Colaborou na direção da peça Cine Monstro (2013), de Daniel MacIvor, dirigida e interpretada por Enrique Diaz. Dirigiu Nús, ferozes e antropófagos, em colaboração com a companhia francesa Jakart/Mugiscué e o Centro Dramático Nacional de Limousin. Também escreveu e dirigiu PROJETO BRASIL (2015) com os parceiros da companhia brasileira de teatro. Em 2016, dirigiu o Grupo Galpão no espetáculo NÓS, texto escrito em parceria com Eduardo Moreira. Recebeu inúmeros prêmios e indicações. Entre eles o prêmio Bravo!, o prêmio Shell, o APCA, o prêmio Governador do Estado, no Paraná, o APTR e o Questão de Crítica. Foi escolhido pelo jornal Folha de São Paulo como personalidade teatral do ano, em 2012. Atualmente é orientador do Núcleo de Direção do SESI PR.

Galpão e Petrobras

Há quase 20 anos, o Grupo Galpão conta com o patrocínio da Petrobras. Foram muitos espetáculos montados, temporadas nacionais, turnês por todas as regiões do Brasil e presença em festivais proporcionados por essa parceria. Esse ano, a Petrobras continua apostando no compromisso do Galpão: reinventar a vida por meio da arte, possibilitando a vivência do teatro, como alegria e transformação, para um público cada vez maior.

FICHA TÉCNICA | OUTROS ELENCO

Antonio Edson, Beto Franco, Eduardo Moreira, Fernanda Vianna, Inês Peixoto, Júlio Maciel, Lydia Del Picchia, Paulo André, Simone Ordones e Teuda Bara

Equipe

  • Gerente Executivo – Fernando Lara
  • Coordenadora de Produção – Gilma Oliveira
  • Coordenadora de Planejamento – Larissa Scarpelli
  • Coordenadora de Comunicação – Bárbara Prado
  • Coordenadora Administrativa – Wanilda D’artagnan
  • Coordenador Técnico e de Luz – Rodrigo Marçal
  • Produtora Executiva – Beatriz Radicchi
  • Cenotécnico – Helvécio Izabel
  • Técnico de Som – Fábio Santos
  • Assistente Financeiro – Cláudio Augusto
  • Serviços Gerais – Danielle Rodrigues
  • Gestor Financeiro de Projetos – Artmanagers
  • Assessor Contábil – Maurício Silva