Os filhos olham para os pais como se fossem tiranossauros, obsoletos e desatualizados

Eu achava que sabia de tudo. Achava que a minha mãe não sabia de nada, que ela nunca tinha sido jovem

pai e filho
Foto: Pexels

Esses dias, minha mãe me mandou fotos de quando eu ainda era pequeno e gordinho. As fotos estão desbotadas, estou no colo dela. Ela era uma menina sorridente. Minha mãe era jovem e bonita quando me teve. Continua bonita, mas não tão jovem. Ela era jovem demais. Uma menina cheia de vida e sonhos pela frente, mãe solteira.

Acho que durante anos não fui o filho que poderia ser para minha mãe, não fui agradecido por tudo o que ela fez por mim. Só entendi tudo o que se faz por um filho quando me tornei pai. Você aprende a ser filho depois que tem um filho. Você se torna grato. Quando vi aquelas fotos fiquei emocionado, pensando em tudo o que a minha mãe me deu. Ela me deu sua juventude, seus sonhos profissionais, seus relacionamentos amorosos. Disse não para promoções, para viagens longas a trabalho. Tinha que cuidar de mim sozinha. Disse não para amores que não estavam preparados para criar o filho dos outros. Disse não para sua própria vida, para me transformar naquilo que sou. Ela pegou uma célula, transformou-a em gente. E, depois, em homem.

A minha ingratidão foi terrível e me arrependo dela. Fui um adolescente metido e revoltado. Eu achava que sabia de tudo. Achava que a minha mãe não sabia de nada, que ela nunca tinha sido jovem. Os filhos olham para os pais como se fossem tiranossauros, obsoletos e desatualizados, irritados por qualquer bobagem. Só enxergamos essas coisas anos depois, quando nossos próprios filhos nos olham assim.

Eu lembro das coisas que a minha mãe repetia. “Seja educado. Seja honesto. Trate bem as pessoas. Seja gentil. Tente ser bom com todos ao seu redor. Se esforce para fazer amigos.” Conselhos adolescentemente ignorados e desafiados. E aqui estou eu, repetindo os mesmos conselhos para minhas filhas. E aqui estou eu, sendo adolescentemente ignorado. Com uma esperança boba de que um dia se lembrem dos conselhos, ao ver nossas fotos desbotadas. Que notem tudo o que oferecemos, sem perceberem. Que não nos dêem nada em troca, mas passem adiante. Passem adiante aquilo que nossas mães nos deram.

Leia mais colunas de Marcos Piangers