Arquitetura, design e arte: conheça os componentes da paisagem urbana

Assim como o nosso patrimônio imaterial – usos, costumes, linguagens, etnias – nos faz reconhecer parte de quem somos, os artefatos físicos que produzimos também indicam nossos valores

Sincronia do gesto: a arquitetura à beira-mar que reverencia o movimento curvo da terra e da onda, no projeto do escritório Mantovani e Rita, de 1996, para o Acqua Marina Residence, em Florianópolis (Foto: Vicente Schmitt/Divulgação)

O que compõe uma paisagem urbana? Quais os elementos que nos fazem sentir pertencentes? As respostas a essas questões são inúmeras e, provavelmente, todas parciais, dada a complexidade da questão. Geografia, ascendência, língua, cultura, arquitetura. A construção de uma identidade, ou de múltiplas identidades, como melhor podemos compreender hoje, passa pela conjugação desses vários fatores que compõem essas matrizes identitárias. Assim como o nosso patrimônio imaterial – usos, costumes, linguagens, etnias – nos faz reconhecer parte de quem somos, os artefatos físicos que produzimos também indicam nossos valores e podem propor experimentações sensoriais desafiadoras.

Arquitetura, design e arte são expressões de uma cultura que, talvez mais nitidamente, demonstram o binômio ética-estética. Porque para todo conteúdo existe uma forma possível, ou várias delas. E a qualidade dessas escolhas afeta nossa vida cotidiana. Mas, a paisagem urbana que contemplamos diariamente tem em nós mesmos um de seus principais elementos constitutivos. A cidade não está lá fora, ela está aqui dentro. E agora?

ARTE CONTEXTUAL

Crítica ígnea: a série “Fósforos Levante”, de Pablo Paniagua, questiona as cortinas de fumaça da política brasileira e reitera o ancestral poder aglutinador das fogueiras (Foto: Pablo Paniagua/Divulgação)

Uma prática artística crítica que toma o entorno como seu objeto de trabalho. Este é o cerne da Residência Artística Qualys A1, com os artistas Marcos Gorgatti, Djuly Gava, Cyntia Werner, Pablo Paniagua e Rafael Schultz, que teve sua abertura oficial no dia 24 de agosto, durante a ocupação do projeto Embarcação no Memorial Meyer Filho, no centro da Capital catarinense.

O QUE NOS CONSTITUI?

Cinema itinerante: o “CineKombi”, que exibe filmes ao ar livre para a comunidade, é a ação proposta por Naiara Alice Bertoli para o circuito Paralela Arquitetura e Artes 2018 (Foto: Cinekombi/Divulgação)

No 30º aniversário da Constituição Federal, o circuito bienal Paralela Arquitetura e Artes reúne artistas, arquitetos e entusiastas para propor reflexões sobre os direitos que deveriam ser garantidos a todos os cidadãos, sobre a urbanidade e seus efeitos em nossa subjetividade e em nossos corpos. Através de uma convocação pública, a curadoria do evento selecionou mais de 30 propostas que incluem exibições de filmes, teatro de rua, dança, música, performance, bate-papos, cursos, oficinas, caminhadas guiadas e exposições. O projeto Paralela foi contemplado pelo Edital Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura de 2017 e acontece de 14 a 22 de setembro em Florianópolis. Todas as atividades são gratuitas.

Leia mais colunas de Sandro Clemes

Leia também:

Movimento Traços Urbanos propõe intervenções em espaços públicos de Florianópolis