Alimentação da mãe durante a gravidez ajuda a determinar o paladar e o olfato do bebê

Mamães que cuidam da alimentação, do estilo de vida e das emoções neste período ajudam no desenvolvimento saudável da criança

Foto: Jonas Ramos/Especial/Agência RBS

O sonho de gestar um bebê é o desejo de muitos casais, e quando falamos de gravidez aprendemos muito de nós mesmas, do ser humano, do cuidado, do desconhecido e do amor. Amor que só aumenta, pois quanto mais vai crescendo a barriga, mais o amor cresce. Ah, quanta coisa interessante acontece dentro da gente nesses 270 dias de gestação, não é mesmo!? E para além disso, ainda temos de nutrir, cuidar e estimular esse milagre dentro da gente.

Para se ter uma ideia, a gestação tem um impacto na saúde física e emocional do feto importantíssimo e através da alimentação durante esse período ajudamos a determinar, por exemplo, o paladar e o olfato do bebê, uma vez que os sabores passam através do líquido amniótico.

Além disso, o desenvolvimento neurocognitivo é extremamente intenso na vida intrauterina, e pode sofrer influências negativas quando a mãe fuma, faz uso de drogas e medicamentos. Com isso, o bebê acaba recebendo menos nutrientes, fato este que desfavorece o crescimento e desenvolvimento fetal. Da mesma forma, se a gestante se cuidar, comer variado, se hidratar adequadamente e cuidar do seu estado emocional, todo esse comportamento determinará um melhor estado de saúde do seu bebê.

Com isso, hoje se fala muito nos primeiros mil dias do bebê (270 dias da gestação + 365 dias do primeiro ano de vida + 365 dias do segundo ano de vida). Temos evidências que esse período é uma “janela de oportunidades” para uma série de intervenções importantes que podem melhorar o perfil de saúde da criança na adolescência e até a vida adulta.

Principais benefícios de cuidar da alimentação, do estilo de vida e das emoções neste período: 

  • Prevenção de doenças crônicas não transmissíveis: diabetes tipo 2, obesidade, hipertensão e doenças cardiovasculares. Os hábitos alimentares são instituídos desde cedo, e ensinar a criança a apreciar o sabor dos alimentos, principalmente frutas e verduras, na primeira idade é essencial para que eles tenham uma alimentação saudável no futuro e consequente prevenção de doenças a longo prazo.
  • Desenvolvimento intelectual: estimular a criança desde cedo garante que ela use sua mente ao máximo e desenvolva corretamente. O consumo materno de gorduras boas durante a gestação e amamentação, assim como a introdução alimentar adequada a partir dos seis meses de vida são fundamentais para o desenvolvimento intelectual dos bebês.
  • Melhora da imunidade: tanto a vacinação, quanto o aleitamento materno estimulam o sistema imunológico, ajudando a proteger o bebê dos agentes externos que podem causar alergias e doenças infecciosas.
  • Crescimento saudável: Ofertar para a criança os nutrientes adequados é fundamental para o crescimento e construção dos ossos, músculos e órgãos. Por isso, é importante que o leite materno exclusivo seja mantido até os seis meses e após seja complementado com uma alimentação variada e colorida, que garanta a oferta dos nutrientes essenciais para seu desenvolvimento, como ferro, zinco, potássio, selênio, vitaminas A, C, D e do complexo B.

Então para que este milagre da vida aconteça com saúde para mãe e bebê, que tal se programar e aproveitar todos os benefícios que os primeiros 1000 dias trarão para o resto da vida?!Vamos gerar saúde nas futuras gerações! Pense nisso!

Leia também:

Aprenda a identificar alimentos ultraprocessados e saiba como prejudicam a saúde

Leia mais artigos das nutricionistas Carol Bandeira e Silvia Ozcariz