Vanessa Tobias: aprendendo com as crises de ansiedade e pânico

pânico
pânico

Em 2013, exatamente uma semana depois do falecimento do meu irmão, tinha já agendado uma palestra para um grupo empresarial de 300 pessoas, no Rio de Janeiro. Não cancelei a palestra e não cancelaria. Naquela noite estava no hotel dormindo, quando a janela fez um barulho e a cortina balançou – na hora estava sonhando com meu irmão e achei que ia ver um fantasma na minha frente se eu abrisse os olhos. Abri um dos olhos, e tive a certeza de que ele estava lá. Me cobri com o lençol e comecei a rezar alto, com medo de que alguma coisa acontecesse. Meu peito ficou apertado e se a cama não fosse box, acredite que seria debaixo dela que eu me esconderia.

No último ano tenho recebido muitos contatos e clientes que foram diagnosticados com crises de ansiedade e de pânico. Comecei a me interessar pelo assunto, procurando observar as coincidências dentro do quadro, e me lembrei nitidamente daquela noite. Se eu abrisse meus olhos e fosse meu irmão: qual seria, realmente, a ameaça? Eu convivi com ele 30 anos… o que teria mudado nele e em nosso relacionamento agora que ele morreu? Eu não sei.

Priscila é o nossa nova estagiária de Design. Interessada em saber mais da empresa, me perguntou sobre quais eram os nossos valores. Por exemplo – ela disse: “equilíbrio” é um dos valores da empresa, não é?! Achei a pergunta ótima! Não mesmo! – eu respondi. O que a gente valoriza é o “desequilíbrio”. Nossa filosofia procura a expansão da consciência, nós sonhamos em ter coragem de abrir os olhos diante do balançar da cortina. A expansão só se dá no contraponto do meu ponto. Só se entende bem o dia e damos a ele o devido lugar, quando desfrutamos das qualidades da noite. Admiramos o desconhecido e o  transformamos em nossa nova intimidade.

O que me ocorre é que as pessoas com quem venho compartilhando as experiências do pânico e das crises de ansiedade têm sido aquelas que se encorajaram a abrir um dos olhos diante do desconhecido. Uma alma que avança em sua consciência sobre o que é melhor para si e que, com coragem, caminha na direção da sua liberdade e de sua felicidade encontrará, antes de tudo, em
si mesmo o maior desconhecido de todos.

Normalmente não sabemos quem somos, por isso é como se a nossa presença se assustasse com ela mesma. Quando começamos a conhecer a nossa própria verdade, ela começa a se fazer presente em tudo. Já não somos mais desconhecidos, mas novos um para o outro.

Acordo de manhã, e lá estou eu – me olhando. Segunda-feira chega, e meu peito angustiado dialoga: o que vamos fazer essa semana? Sou eu, finalmente me vendo, assustada, com medo. Daí estamos, ainda, tão traídos por nossas escolhas e tão enjaulados em nossas parcelas de cartão de crédito – e tão distantes do que somos na essência – que nos sentimos ameaçados sobre nós mesmos, com quem temos convivido o tempo todo o dia inteiro.

Ainda não consigo dizer exatamente a que conclusão cheguei que não fosse que as crises – quaisquer que sejam e que nome levam – têm em si a beleza da dor e do prazer do reencontro. Em nosso aniversário nascemos para o mundo. Quando, afinal, nascemos para nós?!

Leia também:
Vanessa Tobias: mestre em problemas

Vanessa Tobias: eu te quero bem, sempre