“Pequena produção mantém a biodiversidade e ajuda a população socialmente”, diz Carlo Petrini, criador do Slow Food, em passagem por SC

Carlo Petrini – Foto Divulgação

A gastronomia vai além dos sabores. Em passagem por Florianópolis, o jornalista e sociólogo italiano Carlo Petrini, fundador do movimento internacional Slow Food, defende que alimentar-se vai muito além da saciedade ou do prazer de comer. É um ato político. Escolher o que se come, conhecer a origem dos alimentos e a forma como chegaram à mesa é também uma forma de incentivar pequenos produtores e a fomentar a economia e a tradição de uma região.

Petrini palestrou na tarde desta terça-feira no auditório do Centro Socioeconômico da UFSC. Ele também participará do Seminário Alimentação Agricultura e Mudanças Climáticas, que ocorrerá na Assembleia Legislativa, às 13h30min, desta quarta-feira, dia 8 de novembro. No evento, o sociólogo falará sobre A Agricultura é causa é vítima ao mesmo tempo das mudanças climáticas. Caminhos, perspectivas e ferramentas.

Petrini criou a filosofia Slow Food em 1986. O conceito principal é que a forma como nos alimentamos “tem profunda influência no que nos rodeia — na paisagem, na biodiversidade da terra e nas suas tradições”. Para ele, produtos artesanais, produzidos em pequena escala, geram menos impacto ambiental e social do que os industrializados. Outra defesa do slow food consiste no fato de dedicar um tempo para as refeições, tornando a alimentação um processo de degustação, o que melhora a qualidade de vida.

Em uma conversa momentos antes da palestra na UFSC, Petrini falou em um portunhol bastante fácil de compreender. É a primeira vez que está em Florianópolis e disse que gostou muito da cidade. Já conheceu alguns dos produtos locais e mostrou um exemplar do livro A Arca do Gosto no Brasil –  Alimentos, Conhecimentos e Histórias do Patrimônio Gastronômico, no qual estão listados 200 alimentos brasileiros que correm risco de extinção. Petrini garante que é possível comer bem com produtos locais e mantendo as tradições gastronômicas de cada região.

Pesca artesanal em Santa Catarina – Foto Lucas Correia, Agência RBS

O senhor conhece a gastronomia catarinense?
É a primeira vez que venho a Santa Catarina. Já conhecia o Rio Grande do Sul. Conheci algumas especialidades pesqueiras e comunidades de pescadores que trabalham pela defesa da pesca artesanal. Também de produtos que são originários do trabalho dos imigrantes como queijos artesanais muito bons. Experimentei os queijos diamante e o colonial ontem (segunda-feira) que são produzidos aqui.

Como está acontecendo a evolução do movimento Slow Food?
Há uma grande batalha em nível econômico e produtivo contra a agroindústria e a pequena produção. A pequena produção mantém a biodiversidade e ajuda a população socialmente, pois ela tem uma comida preciosa, um patrimônio gastronômico muito forte. A agroindústria estuda uma maneira de vender produtos massivos que não são bons para a saúde e nem para a economia. Trabalha a concentração de poder em poucas mãos de toda a política alimentar. Essa batalha começou há muito tempo. Também acontece que há países que a legislação não é favorável a pequenos produtores, é muito mais favorável à agroindústria.É importante defender o direito dos pequenos e do meio ambiente, cuja legislação é muito trágica. Há muita química no solo que acabam nos alimentos que comemos todos os dias e há muita perda de biodiversidade.

O senhor tem acompanhado as mudanças na legislação brasileira em relação ao agronegócio?
É muito difícil mudar a legislação porque o agronegócio investiu no último ano 58 milhões de dólares em política e os pequenos produtores não têm dinheiro para investir nisso. Esse é o verdadeiro problema. Uma multinacional trabalha pela venda de comida massificada que provoca obesidade e diabete do tipo 2. Algumas vezes quando se fala de gastronomia se fala muito do sabor e não se reflete que o verdadeiro problema é a saúde. Não se vê que nos últimos 10 anos a obesidade aumentou em 100% no Brasil também para as crianças.

E por que é difícil difundir o hábito de comer produtos da agricultura sustentável?
A comida boa da agricultura sustentável não tem perspectiva porque não existe muita venda direta, há muitos intermediários que realizam especulações. Espero aqui (na palestra da UFSC) falar com os jovens, que são o futuro. Se o jovem não compreende isso é um verdadeiro desastre. Em qualquer parte do mundo teremos problema de urbanização(ocupação urbana desordenada), muita gente abandona o campo para trabalhar na cidade causando problemas sociais muito difíceis. O jovem não vai viver no campo se não se paga de forma justa, se não tem internet ou uma forma de socializar, sem qualidade de vida. Este é um problema social. Inverter o movimento de urbanização, que é um excesso de pessoas no meio urbano.

Como as pessoas podem ajudar a reverter o problema do consumo de produtos ultraprocessados?
Implantar um sistema de venda direta entre camponeses e cidadãos e comunidades de suporte, e preferir comidas de pequenos produtores. Esta pode ser a força verdadeira de uma multitude (agrupamento) de cidadãos. Não quero falar de consumidores, pois esta é uma palavra da Revolução Industrial. É preciso formar co-produtores, que compram produtos diretamente, ajudam o pequeno produtor e realizam uma verdadeira aliança entre cidadãos e produtos. Se essa aliança se realiza há uma troca socioeconômica muito importante.

Serviço

O quê: Palestra A Agricultura é causa é vítima ao mesmo tempo das mudanças climáticas. Caminhos, perspectivas e ferramentas, com Carlo Petrini. Seminário Alimentação Agricultura e Mudanças Climáticas
Quando: 8 de novembro, a partir das 13h30min
Onde: Assembleia Legislativa (Rua Dr. Jorge Luz Fontes, 310 – Centro, Florianópolis)
Para se inscrever, clique aqui.

Leia mais:
Conheça Lala Deheinzelin, a ex-atriz de novela que virou referência mundial em inovação, economia criativa e novas sociedades

Confira 25 práticas certeiras de relaxamento e comece a desacelerar agora
Empreendedores dão dicas de como criar projetos que impactem positivamente a sociedade