Pesquisas indicam a importância dos pais na mediação das escolhas alimentares das crianças

Foto: Divulgação

As crianças realmente são reflexo dos hábitos dos pais, mas não é apenas isso que importa, a forma em que os pais atuam na educação nutricional dos seus pequenos também é extremamente importante. O questionamento dos pais é: Como fazer isso? O que é educação nutricional?

Educamos os nossos filhos dando o exemplo, ensinando-os a fazerem escolhas saudáveis, a entenderem o seu corpo quando ele dá sinais de que já está satisfeito e comeu o suficiente, mostrando que comida não é prêmio nem castigo, mas sim, uma ferramenta para se nutrir e socializar também. Fazemos educação nutricional conversando com eles, brincando de comidinha, levando-os à feira para escolher os alimentos, preparando receitinhas e mostrando como o saudável pode ser delicioso.

Pesquisadores indicam que existem em média três principais formas nas quais os pais interferem na formação do hábito alimentar dos seus filhos, duas destas acabam levando a possíveis distúrbios na alimentação e também podem aumentar o risco de doenças crônicas como a obesidade. E a forma que chamamos de “mediadora” é a que se mostra positiva para a saúde de crianças e adolescentes.

O que os dados mostram é que quando somos permissivos demais ou proibitivos demais, acabamos incentivando o hábito de comer em excesso e alimentos que são altamente energéticos e com baixo valor nutricional. Por exemplo, crianças que são totalmente proibidas de comer algum doce ou alimento que gostam, ao invés de serem ensinadas a comer com moderação e equilíbrio, acabam adquirindo o hábito de comer escondido ou também o que chamamos de comer emocional, que acaba envolvendo culpa, compulsão e consequentemente, obesidade. Quando premiamos ou castigamos os nossos filhos com comida, também incentivamos o hábito de comer com as emoções, perdendo a noção da fome e da saciedade.

Por isso, o nosso papel, é mediar as escolhas de alimentos que entram na nossa rotina familiar, mas sem proibir o consumo de alimentos industrializados em pequenas quantidades e em ocasiões esporádicas. Nunca obrigue o seu filho a comer tudo o que está no prato, incentive-o a comer até se sentir satisfeito. Outro segredo é não predispor ao consumo, mas também evitar proibições ou castigos relacionados à comida. Não se esqueça, você será sempre o exemplo para os seus pequenos, alimente-se com equilíbrio e amor ao seu corpo, dessa forma, garantirá a alimentação saudável de todos os seus.

Leia também:

Conheça os benefícios e as orientações para o consumo do ômega-3

Ansiedade e a compulsão alimentar: entenda como as emoções influenciam na alimentação