A importância de planejar sua aposentadoria

Envelhecer com um bom planejamento financeiro pode trazer um conforto muito atrativo: desfrutar da terceira idade com saúde, tempo e sem preocupações com trabalho e finanças

O tema aposentadoria é uma preocupação de todo trabalhador. Envelhecer com um bom planejamento financeiro pode trazer um conforto muito atrativo: desfrutar da terceira idade com saúde, tempo e sem preocupações com trabalho e finanças. Um bom plano pode proporcionar conforto financeiro para o trabalhador.

A população brasileira está ficando cada vez mais velha. Conforme dados do IBGE, a expectativa de vida do brasileiro é de 76 anos de idade. Sabemos que os avanços da medicina proporcionam cada vez mais a prolongação da vida. Para se ter como referência, em 1940 a expectativa de vida do brasileiro era de cerca de 46 anos, apenas. Ou seja, é muito provável que as próximas gerações terão um quadro de vida longa.

E ao falar de aposentadoria, em pleno 2018, não podemos desconsiderar a situação preocupante do sistema de previdência social. Hoje, as arrecadações do sistema de previdência não fazem frente aos desembolsos com aposentados. Segundo a Secretaria de Previdência, ligada ao Ministério da Fazenda, em 2017, a diferença entre o que foi arrecadado com INSS e o que foi desembolsado com os aposentados brasileiros gerou um déficit de R$ 268,8 bilhões. Se projetarmos o fato de que a população brasileira está cada vez mais velha, o sistema de previdência social do Brasil pode ter problemas no futuro, comprometendo a renda dos aposentados das próximas gerações.

Pensando nisso, todos os indivíduos brasileiros devem se atentar ao fato de que há riscos, sim, em depender apenas do INSS para a sua aposentadoria. Importante também ressaltar que o teto do INSS hoje é de R$ 5.531,31. Portanto, qualquer trabalhador que tenha um padrão de vida mensal acima deste valor sofrerá redução do poder de consumo na aposentadoria, caso dependa apenas do INSS como fonte de renda.

É preciso que cada brasileiro se conscientize da importância de planejar o seu futuro e aposentadoria. Com planejamento e disciplina, é possível construir um patrimônio sólido e capaz de gerar renda mensal suficiente para cobrir os gastos de cada pessoa. Vale destacar: o melhor cenário possível é se atingir a renda vitalícia, ou seja, um patrimônio grande suficiente para gerar a renda desejada e cobrir o efeito negativo da inflação ao longo do tempo (em outras palavras, se consumiria apenas o juro real, que supera a inflação, preservando o poder de compra deste recurso ao longo da terceira idade).

Leia também:
Pessoas idosas aproveitam a aposentadoria para conhecer o mundo

Exemplos

Para se ter uma noção mais precisa da realidade, vamos a um exemplo de Maria e João. Ambos se preocupam com a sua aposentadoria e querem construir patrimônio ao longo da vida para obter renda mensal vitalícia equivalente ao teto do INSS (R$ 5.531,31 por mês) a partir dos 65 anos de idade. Maria tem 21 anos, João tem 40.

Três regras simples podem ser o ponto de partida:

REGRA 1: Gastar menos do que se recebe todos os meses, possibilitando a reserva de recursos mensalmente. Somente desta forma será possível formar patrimônio ao longo da vida. Se a nossa renda não está aumentando para cobrir o nosso padrão de vida e ainda gerar um excedente, é necessário rever o orçamento de casa e gastar menos, possibilitando poupança mensal.

REGRA 2: Investir essas reservas todos os meses, procurando auxílio de profissionais especializados em investimentos para se obter os melhores resultados possíveis, de acordo com o perfil de cada um.

REGRA 3: O tempo é nosso aliado na mecânica dos juros sobre juros mensais, portanto, quanto mais cedo eu começar a poupar, menos esforço precisarei fazer mensalmente.

Para constatarmos a importância da REGRA 3 e o efeito do tempo, vamos às contas: Para Maria atingir o seu objetivo de renda mensal vitalícia de R$ 5.531,31 a partir dos 65 anos de idade, ela precisará poupar mensalmente aproximadamente R$ 930 desde os seus 21 anos de idade (considerando uma rentabilidade anual após impostos e inflação de 4,5%).

Já João, para atingir o mesmo objetivo com a mesma idade, precisará poupar cerca de R$ 3.320 por mês desde os seus 40 anos de idade. Fica clara a importância do prazo do investimento. Quanto mais cedo se começar a investir, menos esforço mensal de investimento será necessário.

Para notarmos a importância da REGRA 2 e o efeito de uma boa rentabilidade nos investimentos ao longo do tempo, vamos voltar ao caso de Maria. Para ela atingir a renda desejada de R$ 5.531,31 aos 65 anos, Maria precisa investir mensalmente R$ 930 e obter uma rentabilidade real anual de 4,50% ao ano. Caso ela faça investimentos ruins ao longo da vida e tenha uma rentabilidade real de apenas 2% ao ano, com o mesmo esforço de poupança mensal e o mesmo prazo, Maria alcançará patrimônio suficiente para gerar renda de apenas R$ 1.337 reais por mês. Já caso Maria realize investimentos com melhor desempenho, com juro real anual de 5% ao ano, essa renda mensal ultrapassará os R$ 7,4 mil.

Outra dica importante que vale ressaltar: ao longo do tempo, normalmente a renda dos trabalhadores vai aumentando e o primeiro impulso após recebermos um aumento de salário é também aumentar o padrão de vida e gastar mais. O mais indicado nesse caso é controlar esse aumento nos gastos para que pelo menos uma parte deste aumento salarial se converta em aumento na capacidade de poupança mensal. Dessa forma, o ritmo dos investimentos mensais pode aumentar ao longo da vida, contribuindo para uma formação de patrimônio ainda mais sólida.

O caminho é longo, a disciplina é essencial, mas certamente a tranquilidade de se atingir uma aposentadoria confortável mantendo o padrão de vida desejado é algo que compensa. Vale a pena assumirmos a nossa responsabilidade sobre o nosso futuro.

Para maiores informações, consulte um especialista da Manchester: contato@manchesterinvest.com.br

Leia mais:

Você sabe como planejar a sucessão patrimonial?

Seu dinheiro não está rendendo? Especialistas contam onde e como investir em épocas de juros baixos

Veja os tipos de apólices de seguros que protegem o padrão de vida