Catarinense Bruna Linzmeyer e mais 81 mulheres da indústria cinematográfica protestam em Cannes

No sábado (12), 82 mulheres da indústria cinematográfica subiram as escadarias do Palácio dos Festivais, em Cannes, em um protesto silencioso. Desde a criação do festival, que está na 71ª edição, apenas 82 filmes dirigidos por mulheres foram selecionados para a competição oficial. Por outro lado, 1.645 filmes dirigidos por homens já concorreram no Festival.

Este ano, são apenas três cineastas mulheres entre 21 concorrentes – Eva Husson (Les Filles du Soleil), Alice Rohrwacher (Lazzaro Felice) e Nadine Labaki (Capharnaum). O protesto ocorreu depois que a atriz e presidente do júri Cate Blanchett leu um comunicado no tapete vermelho sobre a falta de cineastas homenageadas ao longo da história do festival.

Entre as reivindicações das mulheres está a equiparação salarial entre gêneros e um ambiente seguro para mulheres. A atriz catarinense Bruna Linzmeyer estava entre as artistas envolvidas no ato.

– Eu acho que a gente precisa falar de uma opressão histórica sobre as mulheres, sobre as pessoas pretas, sobre as minorias políticas. Principalmente neste último ano, a gente se propôs a falar e as pessoas se propuseram a ouvir. É importante que, tanto nos grandes festivais ou nas periferias, as mulheres estejam na luta, que elas estejam se posicionando e lutando – declarou à RFI Brasil Bruna Linzmeyer.

Fotos: AFP

Mariana Ximenes também esteve no protesto e falou sobre sua felicidade em participar:

– É muito bom ser mulher, estar aqui, como atriz que é meu oficio, celebrando este momento, esta união e força feminina, com olhares de todo o mundo. É uma questão que a gente precisa debater e refletir. Foi um protesto de inclusão e igualdade – disse à RFI Brasil.

Leia mais:

Cannes 2018: proibição das selfies, exibição de “filme maldito” e desacordo com a Netflix

Benedict Cumberbatch diz que não vai atuar em produções que pagam menos para mulheres

Cate Blanchett dá seu recado sobre igualdade de gênero no cinema