Quantos de nós ainda são apaixonados pela vida?

A paixão pela vida se manifesta, hoje, através de alguns poucos Dom Quixotes urbanos

Foto: Camana Sweilem/Divulgação

Acompanhei de longe a história de uma árvore do bairro Jardim Botânico, no Rio. Uma amiga soube que ela iria ser derrubada por motivos fúteis e se empenhou em salvá-la. Primeiro ato: minha amiga subiu na árvore, que é como os ativistas ecológicos defendem seu território, e só desceu de lá depois de conseguir mobilizar a opinião pública – ou parte dela – representada por seus vizinhos e amigos. Estava tudo correndo bem, até marchinha de Carnaval a árvore ganhou e camisetas foram confeccionadas para angariar mais simpatizantes à causa, mas não foi suficiente. A bonita árvore foi cortada.

Esta não é uma crônica sobre consciência ambiental, mas poderia ser. Nem sobre os maus-tratos que a natureza sofre e os efeitos sobre a vida no planeta. Não é sobre a ideia canhestra de que só é válido se manifestar contra a devastação de uma floresta, mas uma arvorezinha só, uma arvorezinha de rua, essa não vai fazer falta a ninguém. Essa crônica poderia ser sobre a miopia de só darmos atenção às tragédias coletivas, televisionadas, sem nos importarmos com os erros individuais e silenciosos que são cometidos embaixo do nosso nariz. Mas não é sobre isso. É sobre paixão.

Uma pessoa declara-se apaixonada por uma blusa. Ao comprá-la, resolve sua carência por 10 minutos. Logo se apaixonará por um sapato, e assim vai tentando preencher seu vazio. Muitos são apaixonados por chocolate. Outros são por carro. Banalizamos o verbo, somos todos apaixonados pelo que podemos consumir. Quantos ainda são apaixonados pela vida?
Minha amiga me telefonou assim que cortaram a árvore. Chorava sua impotência, sua desolação. Era só uma árvore, e ela sentia como se fosse a morte de um parente. Ela havia defendido um bem público, não era dona da árvore, ela era de toda a cidade, mas alguém com uma motosserra embaixo do braço olhou para ela e disse: perdeu.

A paixão pela vida se manifesta, hoje, através de alguns poucos Dom Quixotes urbanos. O cara que usa dinheiro do próprio bolso para montar uma peça de teatro, o atleta com
deficiência física que compete nas Paraolimpíadas, o motorista que dá carona aos que percorrem o mesmo trajeto que ele, os que recusam propostas milionárias para ter mais tempo livre a fim de se dedicar ao que interessa de fato. E o que interessa de fato? Família, amigos, amor, arte, natureza e algum idealismo, mesmo que esteja fora de moda. É só pelo que vale brigar.

Mas as pessoas brigam por uma geladeira em liquidação, por uma vaga no estacionamento, brigam dentro da escola, brigam por miudezas e quando vencem, não ganham nada. Brigar por uma árvore é ao menos poético. Perdeu coisa nenhuma, minha amiga.

*A colunista está de férias. Essa coluna foi publicada originalmente em 3 de abril de 2011.

Leia também:
Movimento Traços Urbanos propõe intervenções em espaços públicos de Florianópolis

Trabalho com propósito: conheça empreendedores que mudaram a lógica do mercado em SC

Leia mais colunas de Martha Medeiros