Quase metade dos homens brasileiros diz ter medo de envelhecer, mostra pesquisa

Ficar dependente de alguém ou desenvolver algum tipo de doença estão entre as principais preocupações. Entretanto, os cuidados com a saúde são deixado de lado por boa parte deles

Foto: Felipe Carneiro/Agência RBS

Quase metade dos homens brasileiros (43%) enxerga a velhice como uma ameaça. É o que aponta uma pesquisa realizada pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG). O que mais aflige esses homens é o medo de morrer (28%), a dependência de outras pessoas (18%), a falta de vida ativa (14%) e o desenvolvimento de doenças (11%).

Para esses homens, a velhice está mais associada à passagem do tempo. Embora estudos recentes comprovem que o envelhecimento comece aos 28 anos, a maioria dos entrevistados (86%) acredita que o envelhecimento se dá apenas depois dos 45 anos, sendo que 41% deles aponta que somente aos 60 anos o homem começa a envelhecer.

— Mesmo com receio de morrer ou perder a autonomia em função de doenças ou questões ligadas à idade, muitos homens ainda negligenciam alguns cuidados com a saúde, como a visita ao médico para realização de exames, ou a adoção de hábitos de vida mais saudáveis — explica Maisa Kairalla, membro da SBGG.

A pesquisa confirma a percepção da médica: quase metade dos entrevistados (49%) nunca fez exame de toque retal, importante para a detecção do câncer de próstata, e 43% deles não tem hábitos saudáveis ligados à alimentação e a prática de atividade física.

Os homens também associam o câncer com a chegada da idade: para quase 70%, as chances de apresentar o quadro aumentam com o passar dos anos. O medo de ter a doença assombra 64% deles.

— O câncer de próstata é o tipo de câncer mais comum na população masculina (excluindo-se o câncer de pele tipo não-melanoma). O diagnóstico é simples e o tratamento tem boas perspectivas. Quanto antes identificar a doença e iniciar a terapia indicada, mais chances de recuperação e manutenção da qualidade de vida — complementa Fabio Schutz, coordenador médico da oncologia clínica do Hospital Beneficência Portuguesa, de São Paulo.

A pesquisa foi realizada em oito capitais (Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Salvador, São Paulo e Recife) com 2,4 mil homens acima dos 45 anos.

Principais dados da pesquisa

– 64% tem medo de ter câncer, 30% por já terem casos na família.

– 36% não tem medo de ter câncer, 64% deles por ter hábitos de vida saudáveis e visitar o médico com frequência.

– 70% dos entrevistados conhece algum homem que desenvolveu câncer ao longo dos anos, sendo que 35% afirmou que o câncer em questão era o de próstata, 17% de pulmão, 9% de estômago e 8% câncer de fígado.

– 77% sabe que o câncer de próstata é o mais comum em homens a partir dos 50 anos.

– 49% nunca realizou o exame de toque retal, 26% porque o médico nunca pediu, 24% não gosta ou acha pouco “másculo”, 22% não tem sintomas ou idade para realizar, 15% considera o exame de sangue suficiente, 13% não considera o exame necessário.

– 23% não tem conhecimento sobre como o câncer de próstata é tratado.

– 28% acredita que o homem nunca perde o desejo sexual.

Leia também:

Homens não sabem o que é Andropausa e sofrem com ela

Diversidade no setor de programação demonstra que a profissão não se restringe ao estereótipo de homens, jovens e nerds

Igualdade de salários entre homens e mulheres pode demorar 217 anos