“Quero continuar trabalhando e não parar tão cedo”, afirma Jorge Fernando em retorno às novelas após AVC

Diretor, que está na próxima novela das sete, "Verão 90", teve medo de morrer e precisou mudar hábitos para voltar aos sets de gravação

Jorge Fernando
Apesar de brincalhão, Jorge Fernando se declara um profissional exigente. Foto: Cesar Alves/Rede Globo

Aos 17 anos, em meados de 1972, Jorge Fernando dava indícios de que o sangue artístico corria pelas veias. Ele transformou em monólogo a peça Zoo Story, de Edward Albee, e passou a encená-la em escolas, praças públicas, barcas e ônibus do Rio de Janeiro, sua cidade natal. O sucesso foi tanto que, em 1978, o espetáculo A História do Zoológico (assim batizado em português) passou das ruas para o palco do Teatro de Bolso Aurimar Rocha, no Leblon.

A jornada ascendente estava traçada. O jovem foi convidado pelo diretor André Valli para trabalhar na montagem de A Rainha Morta. Pouco tempo depois, em 1978, entrou para a Globo como ator, no seriado Ciranda Cirandinha. Passou para o cargo de diretor na emissora carioca em 1980, na novela Coração Alado, de Janete Clair. O currículo, de lá pra cá, acumula uma extensa lista de trabalhos na televisão, no teatro e no cinema. Em um desses momentos do ofício, o revés aconteceu.

Leia também: Após se recuperar de AVC, Jorge Fernando volta a dirigir novela

— Uma sensação horrível. Sempre fui daqueles arianos que nunca iam ao médico, achando que era o Super-Homem. No meio do ensaio do Vamp (musical que comandava ao lado de Diego Moraes), fiquei todo torto, com o lado todo paralisado — relembra ao contar sobre o episódio difícil: quando sofreu um Acidente Vascular Cerebral (AVC), em 2017. As incertezas em relação ao futuro vieram à tona. O medo da morte fez o veterano acreditar que não voltaria para o que se dedica há mais de 45 anos.

— Com isso você repensa a sua vida, suas ações. O nosso jeito, às vezes egocêntrico. Foi um período muito difícil, mas tive o apoio integral da minha família, de meus amigos —comenta.

Dois anos se passaram desde o fatídico dia, a recuperação continua — com sessões de fisioterapia e fonoaudiologia — e o retorno aos sets de gravação finalmente chegou. Jorge Fernando assumiu a direção artística de Verão 90, novela das sete que estreia nesta terça-feira (29), na Rede Globo. A trama, escrita por Izabel de Oliveira e Paula Amaral, gira em torno da história romântica do trio João (João Bravo/Rafael Vitti), Manuzita (Melissa Nóbrega/Isabelle Drummond) e Jerônimo (Diogo Caruso/Jesuíta Barbosa). Os personagens faziam parte do grupo infantil Patotinha Mágica nos anos 1980 e, após a separação, se reencontram na década de 1990.

— É sobre o que já vivemos. Tem o baixo Leblon, o posto 9, as raves, orelhão, ficha de telefone, tudo muito presente e muita música. O barato da história é que tem a Pop TV, que é meio a MTV da época. A gente vai usar muito clipe de passagens, com cenas de jornalismo, e vai aparecer cantores, como a (Maria) Betânia, o Tim Maia e outros artistas que compõem a trilha — antecipa o diretor. A temática tem um gostinho especial para ele. O motivo são as lembranças de trabalhos marcantes realizados nessa fase — a mesma de pano de fundo para Verão 90 —, como Guerra dos Sexos (1983), Brega & Chique (1987), Que Rei Sou Eu? (1989), Deus Nos Acuda (1992), entre outros. Em comum, a grande maioria foi exibida na faixa das sete.

— Eu era o rei do horário — garante. — Está sendo uma delícia (dirigir a novela Verão 90). Sinto que é uma homenagem à minha carreira, à minha trajetória — completa.

Jorge Fernando
No comandando das primeiras cenas de Sergio Guizé, em “Êta, Mundo Bom”. Foto: TV Globo/Divulgação

Dentro do estúdio

Quem vê o sorriso no rosto não pensa que, por trás da fama de brincalhão e bem-humorado, reside um profissional exigente. Nem mesmo o período forçado de pausa desde sua última participação, em Êta Mundo Bom!, em 2016, fez com que antigas características fossem amenizadas. Quando entra em cena — de forma escondida para o grande público —, disciplina é a regra.

— Sou uma pessoa comprometida, profissional e exijo o mesmo de todos. Não suporto atrasos. Pontualidade, por exemplo, é algo que deve ser respeitado sempre. Eu cobro isso. É essencial para um trabalho leve e tranquilo. Precisamos pensar no bem comum de todos — pontua.

Os próximos meses terão rotina intensa, mas Jorge Fernando parece preparado para aguentar o tranco. Substituiu a alimentação, parou de fumar e passou a fazer check-ups regulares. Tudo para se adequar à realidade de atenção redobrada com a saúde. A atriz Claudia Raia, amiga pessoal há décadas e colega em Verão 90 — no papel de Lidiane —, é uma das que cobra os exames. Precauções essenciais no intuito de seguir em frente com vigor na temperatura máxima. E o próprio decreta:

— Quero continuar trabalhando e não parar tão cedo.

Claudia Raia e Jorge Fernando
Claudia Raia e Jorge Fernando. Foto: Reprodução/Instagram