Repórter desabafa após acusar Datena de assédio sexual: “Estou do lado da verdade”

Bruna Drews já protocolou uma ação judicial contra o apresentador da Band

Datena teria falado que jornalista "era muito gostosa" Foto: Divulgação

A repórter Bruna Drews abriu uma representação judicial no Ministério Público de São Paulo contra José Luiz Datena por assédio sexual. Segundo a jornalista, o apresentador teria falado que ela não precisava emagrecer porque “já era muito gostosa”, que teria se masturbado pensando nela e que achava “um desperdício” a profissional “namorar uma mulher”. As informações são do UOL.

Após receber a representação, a promotoria criminal solicitou a abertura de inquérito policial, que está tramitando no Departamento de Policia Judiciária da capital paulista.

Entenda o caso
A jornalista disse que a “cantada” teria sido dada no dia 7 de junho do ano passado, em um bar na região central de São Paulo.

Ao UOL, o apresentador negou as acusações:

— Quanto ao episódio a que ela se refere, ela estava visivelmente mais magra e perguntei na frente de todos se estava com problemas. Ela disse que sim e que iria procurar ajuda médica. Passou mal durante as gravações, que mandei parar para que ela fosse atendida e retomar outro dia em que estivesse melhor. No final das gravações deste programa, dias depois, no Bar do Tonico, com boa parte da equipe, reiterei a ela que era bonita e competente e que não precisava emagrecer mais para trabalhar em TV, preocupado com sua saúde.

Após a repercussão da notícia, Bruna foi às redes sociais falar sobre o caso. Com a imagem da campanha “Mexeu com uma, mexeu com todas”, ela escreveu: “Estou do lado da verdade! Consciência limpa e tranquila! Faço isso por todas as mulher que são obrigadas a passar por isso diariamente!”.

Datena disse que sempre apoiou Bruna:

— Sempre elogiei esta moça ao vivo no Brasil Urgente, como faço com outros repórteres homens e mulheres, pela beleza e competência, acima de tudo. Ao vivo pra todo Brasil. Ela há muito tempo vem pedindo vários afastamentos por motivos psicológicos, alegando problemas de família, pessoais e trabalho. Sempre a apoiei, como faço com os profissionais com quem trabalho, e ela me agradeceu pessoalmente por isto nos poucos contatos que tive com ela na Band (foram raras as vezes que conversamos fora do ar).

A Band disse que não iria se pronunciar a respeito do caso e que o processo trabalhista “tramita em segredo de Justiça, a pedido da própria autora”.

 Leia também: 

Após criticar sexualização, Felipe Neto vai bancar acompanhamento psicológico para Melody

Comercial gera repercussão ao abordar igualdade de gênero, assédio e bullying