Representação feminina no cinema é tema de oficina em Florianópolis

Não é necessário conhecimento prévio do tema para participar da oficina, indicada para interessados a partir dos 16 anos

Anna Muylaert
Anna Muylaert, diretora de "Que horas ela volta?", é uma das cineastas estudadas (Foto: Divulgação)

A cineasta, jornalista e professora Claudia Aguiyrre ministra a oficina “Um olhar feminino sobre a história do cinema para pensar o presente”, com seis encontros, de 7 a 22 de fevereiro, na Faferia, espaço de cursos localizado no centro antigo de Florianópolis.

Claudia vai abordar o cinema de Alice Guy Blachè, Marguerite Duras, Agnes Vardá, Leni Riefenstahl, Mira Nair, Jane Campion, Sofia Coppola, Kathryn Bigelow, Samira Makhmalbaf, Anna Muylaert, Sandra Kogut e Helena Ignez.

— São diretoras e/ou roteiristas e/ou produtoras a partir das quais é possível tangenciar momentos importantes da história do cinema, área artística tradicionalmente dominada por homens. Pesquisas recentes apontam percentuais ainda pouco representativos para a participação feminina atrás das câmeras — avalia a professora.

Partindo deste cenário, a proposta da oficina é desenvolver o tema com alguns questionamentos: Como pensar a participação de gênero nesta área? Como pensar a representação feminina em narrativas fílmicas? Como conceber e realizar neste universo?

Não é necessário conhecimento prévio do tema para participar da oficina, indicada para interessados a partir dos 16 anos. O valor do curso é R$ 350 e pode ser parcelado.

Saiba mais sobre a ministrante

Claudia Aguiyrre
Claudia Aguiyrre (Foto: Divulgação)

Cláudia Aguiyrre é cineasta, documentarista, jornalista e artista multimeios. Nascida em Santiago do Chile, Claudia adotou o Brasil há mais de 40 anos. É graduada em Comunicação Social – habilitação Jornalismo e pós-graduada em Estudos Culturais, ambas pela UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina).

Trabalhou por 15 anos como docente em cursos de Cinema, Realização Audiovisual e de Comunicação Social, nas habilitações de Jornalismo e Publicidade e Propaganda na Unisul e Ielusc.

Possui uma vasta experiência como documentarista, dentre a extensa lista de realizações encontra-se o documentário Mata… céu… e negros (2005) que recebeu o prêmio Revelando os Brasis, além de outras premiações. O filme foi um dos 16 títulos selecionados pela Mostra Brasil Plural 9, o maior festival itinerante de cinema brasileiro pela Europa, que percorreu a Alemanha, Áustria e Suíça, entre os anos de 2006 e 2007.

Leia também:

Representatividade feminina! Pesquisa mostra que crianças querem ver mais heroínas na TV e no cinema

Confira os 10 melhores filmes exibidos nos cinemas de SC em 2018

Documentário catarinense é selecionado para festival de cinema no Japão