Estudante catarinense irá representar SC no 10º Concurso de Moda Inclusiva de São Paulo

carla
Foto: Arquivo pessoal

Estudante de moda de Guabiruba será a única representante do estado no 10º Concurso de Moda Inclusiva Internacional de São Paulo, que será realizado em 28 de novembro na capital paulista. Carla Beatriz Schlindwein, de 20 anos, é um dos 20 participantes selecionados para apresentar um look com inspiração em jovens mulheres com Síndrome de Down.

Como atividade de uma das disciplinas da sexta fase do curso de moda, a estudante foi estimulada pela professora Marina Pereira Ricken a se inscrever no concurso. Em julho, Carla enviou três croquis, um painel de inspiração e as fichas técnicas, e o resultado foi divulgado em agosto.

Com a aprovação, Carla precisou selecionar uma das peças para reproduzir e levar para apresentar na competição. Sobre a inspiração para produzir os looks, a estudante comenta:

— Minhas criações foram feitas para jovens mulheres que possuem Síndrome de Down, e que muitas das vezes não recebem a devida atenção. A proposta era encantar não só aos olhos do público, mas a pessoa que está vestido a minha criação. Por isso, pensei em algo que passasse uma sensação lúdica e encantadora.

O concurso

O Concurso Moda Inclusiva faz com que jovens estilistas lancem um novo olhar e soluções que facilitem o cotidiano da pessoa com deficiência. E permite que elas sejam as protagonistas da passarela e ganhem as ruas com elegância e estilo.

No próximo dia 27, ela embarca para São Paulo com a mãe e a professora Karin Regina Kohler Formonte, que está orientando a estudante na elaboração da parte criatividade da roupa física. O objetivo era levar a modelo com Síndrome de Down aqui de Santa Catarina, no entanto, a jovem não conseguiu patrocínio para levar mais uma pessoa.

Leia também: 1º Desfile Inclusivo de pessoas com Síndrome de Down de Blumenau é marcado pela alegria

— A intenção inicial era levar a modelo daqui, mas como não estávamos conseguindo apoio para que isso acontecesse, optamos por pegar uma modelo de São Paulo. Foi uma grande luta para conseguirmos os patrocínios, mas no final conseguimos ajuda de alguns empresários de Guabiruba. Eu e minha professora estamos indo com hospedagem e alimentação pagas.

Atualmente, por questões financeiras, Carla não está trabalhando no ramo da moda, mas pretende seguir na profissão.

— Já trabalhei na área, mas atualmente não. Estou em outra área por motivos financeiros, foi uma forma de ajudar minha mãe que está em tratamento de câncer. Mas eu pretendo seguir na moda, e moda inclusiva é um tema maravilhoso que me despertou um outro olhar, quem sabe sigo por este caminho — finaliza.