Bebida típica do Caribe, o run aparece como novo queridinho de bartenders

drinks
Foto: Pexels

Assim como em todos os segmentos, as tendências globais de consumo também influenciam no mercado da gastronomia e de bebidas. Consumidores cada vez mais exigentes e informados combinados com a diversidade de ingredientes e novidades em matérias-primas possibilitam desenvolver produtos inovadores e customizados, buscando oferecer sempre novas experiências sensoriais.

Em 2018, por exemplo, a bebida queridinha foi o gin. A ampliação de marcas disponíveis com preços mais acessíveis, a facilidade de preparo em casa e a grande variedade de drinks criados pelos mixologistas e bartenders, tornou a bebida cada vez mais popular. Além disso, por ser uma bebida de fácil paladar, as misturas de ingredientes e sabores deram liberdade para o consumidor brincar com diversas combinações.

Em 2019, outras apostas surgem. Segundo o mixologista Lucas D’Avila – bartender do Rabo di Galo no Santa Mônica – o rum tem tudo para ser a nova promessa de sucesso:

– O Bacardi acabou de trazer para o Brasil muitas opções da bebida. No Rio de Janeiro, inclusive, já existe um bar especializado somente em rum – conta Lucas.

Ele acredita que por mais que o rum seja a nova sensação, seu consumo não alcançará o que foi e ainda está sendo com o Gin:

– Diferente do gin, o rum ainda não possui uma grande gama de drinks, suas possibilidades são menores. Porém, há um grande potencial de consumo da bebida e um crescimento significativo das destilarias que começaram a produzir rum aqui no Brasil.

O rum é bem próximo da cachaça brasileira no processo de fabricação, mas diferente da cachaça que é produzida a partir do suco, ele utiliza o melaço da cana de açúcar. A bebida também passa por fermentação, destilação e pode ser envelhecida em barris de madeira e receber especiarias.

O rum é uma bebida típica do Caribe combinando com a tropicalidade brasileira e as possibilidades de composição de drinks é um terreno que merece ser explorado, aposte em frutas, ervas e especiarias.

O mercado apresenta tendências e contribui para este crescimento, mas há muitas peculiaridades que vão determinar o consumo. Desde a região e até a faixa etária, tudo influencia. Em Floripa, por exemplo, drinks mais refrescantes e carbonatados são mais aceitos que os secos, amargos e alcoólicos, independente da estação do ano. Existem os consumidores que tendem a ter a cabeça mais aberta e experimentam novos sabores e combinações, enquanto outros preferem ficar com os clássicos, importante é que tem espaço pra todos.

Em Floripa não falta opções de bares especializados em drinks como o Rabo di Galo no Santa Mônica, Tarsila no Itacorubi e o No Class no Centro.

Saúde!

 

Mais de gastronomia:
Nana Oliveira: ela faz do hambúrguer uma obra de arte
Talharim de Crepe, uma deliciosa receita de família
Circuito Patagonia une gastronomia, música e cerveja em evento no dia 25 de maio