Sabrina Sato faz lista de regras para visitas à filha; saiba o que é recomendado na hora de visitar recém-nascidos

Zoe, fruto do relacionamento com Duda Nagle, nasceu no último dia 29, em São Paulo

Lista de recomendações do casal para as visitas à filha. Foto: YouTube / Reprodução

Em um vídeo postado no domingo (2) em seu canal no YouTube, a apresentadora Sabrina Sato apresentou a decoração do quarto da maternidade onde está com a filha Zoe, nascida na última quinta-feira (29). Além de mostrar cada detalhe das lembrancinhas, chama a atenção um quadro com uma lista de regras para os visitantes.

Dentre as recomendações, Sabrina pede que as visitas usem protetor de sapatos, máscara, não tussam ou espirrem e nem toquem nas mãos do bebê. Na lista, a apresentadora também pede que as visitas durem 20 minutos e que não sejam feitos palpites.

Assim como no caso da famosa, é comum que familiares e amigos queiram conhecer os recém-nascidos. No entanto, é preciso respeitar algumas regras de etiqueta e de higiene.

Os pediatras Desirée de Freitas Valle Volkmer e Carlos Humberto Bianchi e Silva dão algumas dicas sobre o que fazer para evitar problemas.

Assista ao vídeo de Sabrina:

Pergunte à família se é melhor visitar em casa ou no hospital 

Por praticidade, alguns pais preferem receber visitas ainda no hospital, onde podem contar com a estrutura da maternidade e com os cuidados da equipe médica e de enfermeiros. Lá também não é preciso se preocupar com a organização do local nem oferecer aperitivos aos convidados. Mas há quem prefira ver apenas familiares e amigos mais próximos na maternidade, reservando outras visitas para o conforto do lar.

Ligue antes 

Em um momento atribulado como costumam ser os primeiros dias após o nascimento de um bebê, visitas surpresa são bastante inadequadas. Você pode acabar chegando durante o sono da criança e o descanso da mãe, ou mesmo interromper a amamentação, por exemplo. Para evitar inconvenientes, ligue para avisar sobre o desejo de fazer uma visita à família e perguntar sobre o melhor horário.

Não vá se estiver doente 

Se você estiver gripado, resfriado, com alergia, diarreia ou sintoma de alguma infecção, esqueça: não é a melhor hora de visitar o bebê. Recém-nascidos ainda não têm o sistema imunológico totalmente desenvolvido nem a vacinação em dia. O risco de contraírem uma doença – que pode evoluir para um quadro mais grave – é maior. Certifique-se de que você se recuperou bem antes de ir conhecer o pequeno.

Não fume e não use perfumes fortes 

Cheiros intensos, como de perfumes ou cigarro, irritam as mucosas do recém-nascido, que ainda são muitos sensíveis. Por ter o nariz pequeno, qualquer secreção ou irritação é capaz de causar a obstrução nasal – e, nessa fase, o bebê ainda não consegue respirar pela boca. Por isso, verifique se suas roupas estão limpas e livres de odores antes de fazer a visita.

Higienize-se antes de chegar perto do bebê 

É importante fazer uma higiene reforçada assim que chegar ao local da visita. Lave bem as mãos e, se possível, os antebraços. Se a família disponibilizar álcool gel, não o ignore. Livre-se de vírus e bactérias que possa ter contraído ao manusear celular, dinheiro, chave do carro, entre outros objetos. Aparentemente inofensivos, esses germes podem causar problemas no organismo ainda pouco protegido da criança.

Não pegue na mão e não beije o bebê 

Por mais que você lave bem as mãos antes de chegar perto, pode acabar encostando em outros objetos cheios de germes — a maçaneta da porta, por exemplo. Por via das dúvidas, não pegue na mão da criança, pois ela provavelmente vai colocá-la na boca mais tarde. Também não saia distribuindo beijos, para evitar transmitir vírus e bactérias da sua boca para o recém-nascido.

Evite levar crianças 

Se você tiver a opção, não leve crianças para visitar um recém-nascido — principalmente aquelas que frequentam creche ou escola, mais expostas a viroses e que são vetores mais fáceis de doenças. Crianças também podem fazer barulho e bagunça, além de não entender que não devem segurar ou beijar o bebê. Todas essas situações podem gerar apreensão e constrangimento para você e para os pais. A menos que a criança seja irmã ou parente próximo do recém-nascido, é mais prudente esperar o bebê crescer um pouco para promover esse encontro.

Não peça para acordar a criança 

Algumas pessoas sentem-se frustradas ao visitar um recém-nascido e deparar com ele dormindo, mas é preciso respeitar sua rotina. Enquanto dorme, a criança descansa, repõe as energias e se desenvolve. Além disso, seu sono representa um momento de descanso para os pais, que geralmente estão cansados pela rotina atribulada do período.

Cuide para não atrapalhar a amamentação 

Perceba se a mãe se sente confortável para amamentar a criança na sua presença. Caso ela apresente algum desconforto ou dificuldade, é hora de ir embora. Nos primeiros dias, mãe e bebê ainda estão aprendendo a prática da amamentação, e é comum que esse seja um momento difícil. Qualquer estímulo, como luz ou conversa, pode distrair a criança e atrapalhar o processo. A mãe também pode ficar nervosa, insegura ou constrangida ao ser observada amamentando. Na dúvida, ofereça-se para sair do local por alguns instantes.

Não dê palpites ou conselhos sem ser solicitado 

Mesmo que as intenções sejam as melhores, palpites ou conselhos podem ser desagradáveis para os pais, se não forem solicitados. Evite frases como “Dá uma mamadeira, esse bebê está com fome”, “Coloca ele no berço, senão vai ficar manhoso” ou “Deixa chorar um pouco, faz bem para os pulmões”. Falas assim podem gerar ansiedade, irritação ou insegurança nos pais, que acabam ouvindo diferentes opiniões de muitas pessoas. Lembre-se de que eles são acompanhados por médicos e profissionais capacitados para orientá-los.

Faça uma visita rápida 

Não se esqueça: a visita ao recém-nascido é uma cortesia. Cumprimente os pais, ofereça-se para ajudar e não demore para ir embora. Meia hora é tempo suficiente. Visitas longas podem incomodar — seja porque os pais estão cansados, desejam ficar sozinhos com o bebê ou a mãe quer amamentar tranquilamente. Nessas horas, vale confiar no bom senso.