Saiba como diferenciar amor de desejo

Tem várias pessoas que acabam sentindo só o desejo por outras, mas, por medo do segundo encontro, por medo do gostar, por meio do “prender-se”, acabam ignorando até mesmo o primeiro passo

casal
Foto: Elizabeth Tsung on Unsplash/Divulgação

Esse texto já teve vários começos, várias palavras medidas, várias sabotagens, mas a verdade é que o tema precisa ser posto a mesa. Vai soar estranho, sim, vai gerar confusão, mas o maior objetivo: vai nos ajudar a entender nossos sentimentos, e quem não precisa entende-los ainda mais, não é?

A verdade é que amor e desejo são sentimentos bem diferentes, isso não quer dizer que você não possa sentir desejos loucos por quem você ama (quem sabe até casará com essa pessoa e será o máximo), mas a mesma regra nem sempre pode ser usada para o desejo.

Na maioria dos casos ele simplesmente é. É instinto. É fome. É fogo. É tesão.

A ideia, então, é não sentir culpa por isso! Tem várias pessoas que acabam sentindo só o desejo por outras, mas, por medo do segundo encontro, por medo do gostar, por meio do “prender-se”, acabam ignorando até mesmo o primeiro passo.

Sabe o que encanta? Quando a pessoa te mira com os olhos e pergunta: sendo bem direto(a), o que você quer comigo? E a resposta vem sem temor: você!

Um dos grandes problemas foi que nos fizeram acreditar que quando alguém (inclusive a mulher) diz “não” esse “não” é na verdade um “sim”, que esse “não” foi apenas um charminho, um jogo de sedução, um tempinho a mais de conquista. Em contrapartida, quando a resposta é “sim” parece que o terra treme, que a pessoa está de brincadeira, que não é alguém pra se levar à sério.

Gente, isso é sinceridade! (uma das coisas mais escassas nas relações de hoje em dia, talvez uma das grandes carências da humanidade!) Em primeiro lugar, sinceridade de admitir o que sente e respeitar o outro caso esse desejo não seja correspondido, e acima de tudo não criando expectativas falsas, pois destas, o coração humano já está cheio!
Sofre quem teve sua expectativa nutrida, e dia mais, dia menos, sofre quem buscou sublimar o que sentiu.

O ideal, então, é verificar o que de fato você está sentindo (carência, fim de relacionamento mal resolvido, discussões, expectativas que não foram sanadas, medo, desejo, curtição), conversar com a pessoa – vale até perguntar o que despertou o desejo de estar contigo – e principalmente respeitar o sentir do outro.

Deu liga? Fechou os desejos? Tá legal pra ambos? Então suspirem! Se entreguem! Se tomem! Se pertençam!

Leia mais colunas de Tatiane Marafon

Tatiane Marafon
Localizada em Balneário Camboriú, a Lapidar Terapias atua no mercado de prestação de serviços de Psicologia Organizacional, e apresenta como proposta um trabalho personalizado e moderno, conforme as demandas e objetivos dos clientes. Um serviço que proporcione à sua empresa a gestão de pessoas, valorizando o ser humano e a qualidade de vida nas relações sociais de sua organização.