Selton Mello faz poema em homenagem ao amigo Caio Junqueira

"Eu amava esse meu amigo irmão Caio Junqueira. Agora ele segue em mim. Sempre", escreveu o artista em um poema para Caio, morto após acidente de carro

caio junqueira
Caio Junqueira morreu na última quarta-feira (23), após um grave acidente de carro. Foto: Reprodução

“Você segue aqui, Caio”, escreveu Selton Mello, 46 anos, em uma homenagem ao também ator e amigo de infância Caio Junqueira, que morreu na última quarta-feira (23), aos 42 anos, após sofrer um grave acidente de carro no Rio de Janeiro e ficar internado por uma semana no hospital.

Leia também: Ex de Caio Junqueira, Gisele Itié escreve texto emocionante em homenagem ao ator

Em um poema, ele relembrou o amigo com palavras sensíveis, garantindo que “não cabe aqui tudo que ele significa”. O ator falou sobre o início da carreira dos dois, como atores mirins, ele ao lado de Danton e Caio com o irmão, Jonas Torres. Selton também declarou que é “inacreditável e doloroso demais saber que esse camarada doce, do bem, não mais estará nesse espaço terreno”.

Os dois dividiram a tela na série original da Netflix O Mecanismo, no início de 2018.

Leia na íntegra a homenagem de Selton Mello:

“Caio para sempre
Querido do peito até não mais poder.
Não cabe aqui tudo que ele significa.
Aliás, aqui cabe quase nada.
A vida é curta, ela voa.
Nunca mais a risada única dele.
Seu alto astral, sua educação, sua energia.
Nunca mais ouvir Led Zeppelin sem lembrar do amigo amado.
Amigos desde a infância, atores mirins, ele e Jonas, como Danton e eu.
Muita história, muitas e muitas, muitas aventuras ao lado desse cara diferenciado.
É isso.
Tempos de telas e telinhas.
Algoritmos.
O que fica disso:
Viver.
De fato.
Mais
E
Mais
E
Mais
Janelas no lugar de telas.
Eu quero janelas.
Cada vez mais.
E mais e mais e mais.
Encontrar quem é do peito.
De verdade.
As lembranças ficam.
Pra sempre.
Inacreditável e doloroso demais saber que esse camarada doce, do bem, não mais estará.
Nesse espaço terreno.
Mas estará e MUITO dentro.
Dentro de mim.
E de quem o amava.
De quem teve a sorte rara de poder ser seu amigo.
Eu amava esse meu amigo irmão Caio Junqueira.
Agora ele segue em mim.
Sempre
Sempre
Sempre
Eu sou Caio em um trabalho nesse momento e isso ganhou um significado transcendental.
Você segue aqui, Caio.
Do lado de dentro.
Eu te amo.
Para sempre.”