Confira sete dicas para falar bem em público

Especialista orienta sobre como driblar a ansiedade e fazer uma boa preparação para encarar uma plateia

Foto: Pixabay

Ministrar uma palestra, apresentar o trabalho de conclusão de curso (TCC) na universidade, fazer um discurso e até mesmo se apresentar para os novos colegas de trabalho são situações que podem gerar ansiedade e pânico para muitas pessoas, principalmente para quem é tímido. Muitas vezes, usar desculpas para fugir destes momentos “aterrorizantes” pode ser uma boa saída, no entanto, há situações em que não tem como escapar. Mas como superar o medo de falar em público? Confira dicas para driblar a ansiedade, fazer uma boa preparação e encarar a plateia, seja ela do tamanho que for.

Comunicação intrapessoal

Um dos principais empecilhos para quem vai falar em público é a ansiedade. Por isso, o autoconhecimento é essencial. Tente reconhecer as virtudes e competências que podem ajudá-lo na hora da apresentação e apoie-se nelas. Resgate situações que você enfrentou e nas quais teve de tomar coragem, e use-as como inspiração para encarar esse novo desafio.

Comunicação interpessoal

Tente conhecer o tipo de público com o qual você irá se comunicar: média de idade, nível intelectual e se tem entendimento sobre o assunto a ser apresentado, por exemplo. Procure chegar antes de começar o evento, para que, além de se familiarizar com o ambiente, você já possa interagir com a plateia. Uma boa estratégia para iniciar a apresentação é fazer algumas perguntas para quebrar o gelo, contar um fato que seja relacionado ao tema, usar um pensamento, provérbio ou uma mensagem alusiva ao assunto que irá abordar. Lembre-se: se você começar bem, a tendência é de que tudo flua bem.

Domínio intelectual

O ponto básico para uma boa apresentação é ter domínio sobre o assunto. Monte um conteúdo para usar como base, estude os argumentos que você utilizará e tenha em mente qual o principal objetivo da sua mensagem. Lembre-se que a apresentação deve ter começo, meio e fim, por isso, é importante estabelece rum roteiro. Se você achar necessário, tenha uma colinha para alguma emergência, caso esqueça de algo.

Voz e gesticulação

É fundamental trabalhar a dicção, saber administrar o tom de voz, as pausas e o pronunciamento claro das palavras. Além disso, tente se desfazer de vícios de linguagem, como usar repetidamente “né”, “tipo”, por exemplo. Para treinar, faça leituras em voz alta. Além da voz, a gesticulação é outro ponto importante, pois boa parte da nossa comunicação flui a partir do nosso corpo. Por mais que você esteja tenso, o que é normal, tente não demonstrar, procure andar com passos firmes enquanto fala — mas sem exagero — olhando para as pessoas que estão assistindo.

Preparação

Pode parecer clichê, mas ter uma boa noite de sono antes da apresentação faz toda a diferença. Para garantir tranquilidade, revise o seu material, o ambiente e a parte técnica. Antes de iniciar, faça alguns exercícios simples, friccionando as mãos, alongando, fazendo exercícios de respiração e meditação.

No dia a dia

Para criar o hábito de falar em público com tranquilidade, procure participar em reuniões de trabalho, dar a sua opinião em debates, como em sala de aula, por exemplo, e, até mesmo, contar piadas para um grupo de amigos. Tente, cada vez mais, deixar a timidez de lado.

Pensamento positivo

Acreditar no seu potencial o ajudará na hora de enfrentar esse desafio. Se você crê que é capaz, não arrumará desculpas para desistir. Não se prenda a pequenos deslizes, não desanime, guarde como aprendizado para o futuro. Por fim, tente transformar sua apresentação em um momento de prazer, pense que você está sendo útil às pessoas, que está tendo a oportunidade de influenciar e de mudar opiniões, ou então, de defender uma ideia, uma causa. Mentalize-se sendo reconhecido pelo seu esforço e sendo aplaudido pelo seu público.

Fonte: Reinaldo Passadori, especialista em comunicação

Leia também:

Verão exige cuidados com a saúde íntima. Saiba como se proteger

Noites bem dormidas melhoram desempenho acadêmico de crianças e adolescentes