Rainha do slime: Catarinense Sofia Furlani conquista quase 2 milhões de seguidores em seu canal

Com apenas 12 anos e quase dois milhões de seguidores na internet, catarinense fatura com vídeos caseiros onde ensina a fazer a massinha da moda

sofia furlani
Foto Tiago Ghizoni/Diário Catarinense

Ganhar dinheiro sem sair de casa, fazendo o que gosta, é o sonho de milhares de jovens. Ser um YouTuber famoso é o desejo da maioria. Nunca foi o da Sofia Furlani, que ainda hoje quer ser bailarina profissional, apesar da internet já ter a intitulado de “a rainha do slime” e a menina ter quase dois milhões de seguidores no canal de vídeos que iniciou sem qualquer pretensão.

Com apenas 12 anos e fãs no Brasil inteiro, a moradora de Florianópolis conta que começou a gravar os vídeos de brincadeira, na varanda de casa, e ficou surpresa quando o número de seguidores começou a se multiplicar. O sucesso de Sofia está na habilidade dela com essa geleca artesanal. Antes do slime virar moda por aqui, ela já acompanhava os tutoriais americanos e se especializou em fazer versões especiais com bolinhas de isopor, glitter, miçanga e outros materiais. Quando a febre da massinha explodiu no Brasil, Sofia tinha largado na frente e colheu os frutos da fama repentina da internet.

O que mudou depois de todo esse sucesso? Nada, além da conta bancária da família que ganhou uma fonte de renda extra. Sofia hoje é convidada a participar de eventos e tem contratos com várias marcas, tudo administrado pelos pais, que incentivam a menina sem deixá-la esquecer dos demais compromissos. Os vídeos, aliás, continuam sendo gravados amadoramente pela mãe na sacada do apartamento, que também aprendeu a editar o material já que Sofia não estava dando conta com a rotina de estudos e treinos diários de dança. Foi nesse cenário que ela me recebeu para um papo especial.

sofia furlani
Foto Tiago Ghizoni/Diário Catarinense

Por que começou a fazer os vídeos para a internet?
Desde pequena eu sempre gostei de massinha, geleca e também sempre gostei de quem fazia vídeos para a internet. Como eu gostava muito de fazer slime eu decidi criar o canal e comecei a postar várias coisas, não só slime, isso em 2017. Não tinha tanto acesso e fiquei um ano parada, voltei em janeiro de 2018, com 15 mil inscritos. Aí postei um vídeo que bombou, comecei a postar mais e foi só aumentando.

Esse aumento de seguidores te deixou surpresa?
Muito! Quando fiz 1000 inscritos comemorei um monte. Agora é muito louco, tenho quase dois milhões de pessoas que gostam do que eu faço. Fico impressionada!

Como é a rotina de gravação?
Eu não tenho um número certo de dias que gravo, gravo quando dá, até porque eu estudo, treino dança, mas geralmente tento fazer de dois a três vídeos por semana. Eu gravo aqui mesmo, na varanda de casa, não é nada profissional, não tem luzes, só o celular mesmo e essa estante com as coisas do slime. No começo eu estava de férias e editava os vídeos, tinha tempo, mas depois que começaram as aulas, provas, dança, competição, tive que ensinar a minha mãe a editar.

A sua família te apoia?
Muito! Minha mãe ajuda a gravar, editar. Meu pai negocia com as marcas.

Você ganha dinheiro fazendo propaganda?
Sim, eu já fiz parceria com marca de cola, de massinhas para colocar no slime, eu posto e as pessoas saem comprando. Uma vez eu postei um vídeo testando um produto e o estoque da marca esgotou, então eles me procuram.

Como interage com os fãs?
Eu tento responder o máximo das mensagens que consigo, mas às vezes quando tem muito comentário fica difícil responder todo mundo.

Qual a parte legal e a parte chata de ser famosa?
O mais legal é saber que várias pessoas estão ali te apoiando e saber que gostam do que você está fazendo. O mais chato…  eu nunca pensei nisso, acho que não tem uma parte chata na verdade. Às vezes você está comendo, morrendo de fome e chega uma fã para bater foto, mas geralmente eu adoro, sou super disposta, nunca nego uma foto.

O que sonha para o seu futuro?
Eu penso em ser uma bailarina profissional, não é à toa que treino todos os dias da semana. O YouTube é uma brincadeira pra mim, porque eu amo fazer slime, não é só para gravar e ganhar dinheiro. E sei também que as coisas não são para sempre, daqui a pouco vai passar a moda do slime e aí não sei, talvez eu faça vídeo de outra coisa, mas sou muito nova, a única certeza que tenho por enquanto é que quero dançar a vida toda.

Assista ao vídeo com a entrevista:

Leia também:

Aos cinco anos, gêmeos conquistam fãs e são a promessa do surfe em Santa Catarina

Letícia Birkheuer curte férias em Santa Catarina e fala sobre maternidade e chegada dos 40 anos

Conheça a catarinense que virou expert em casamentos para brasileiros na Europa