“Stalker” de Taylor Swift pode ser condenado a mais quatro anos de prisão

Roger Alvarado, 23 anos, já havia sido condenado e preso pelo mesmo crime.

Taylor Swift soma ocorrências com perseguidores. Foto: Robyn Beck / AFP

Roger Alvarado, 23 anos, acusado de perseguir a cantora Taylor Swift, 29, pode cumprir até quatro anos de prisão por tentar invadir a casa de cantora novamente – mesmo após já ter sido condenado e preso pelo mesmo crime. Ele será julgado no dia 14 de abril, segundo informações do site Page Six.

Segundo a advogada que cuida do caso, ele violou a sua condicional ao tentar, novamente, entrar na residência da artista em março deste ano.

– O réu foi visto no sistema de vigilância removendo uma escada de uma construção próxima. Depois, ele subiu a lateral do prédio e atravessou o pátio da testemunha –afirmou a advogada Caitlyn Jaile à juíza que cuida do caso.

Na ocasião, ao tentar quebrar uma porta de vidro, ele causou mais de US$ 4 mil (cerca de R$ 15 mil) em danos. A equipe de segurança de Taylor, em Nashville, viu a cena em tempo real pelas câmeras de segurança e ligou para a polícia. A norte-americana não estava em casa no momento da invasão.

Foi a terceira vez que Alvarado tentou invadir o local. Ele já tinha sido preso pelo mesmo crime duas vezes no ano passado. Em fevereiro de 2018, ele quebrou a porta da casa de Taylor com uma pá.  Dois meses depois, em abril, foi detido dormindo na cama da cantora.

Nesta ocasião, Alvarado chegou a tomar banho na residência. Taylor que não estava no local. Pela invasão, ele recebeu pena de seis meses de detenção. Alvarado saiu da prisão em 5 de fevereiro e estava em liberdade condicional.

Taylor enfrenta ocorrências com perseguidores há algum tempo. Em setembro do ano passado, ela conseguiu uma ordem judicial de restrição um homem que, desde 2016, mandava cartas com ameaças de estupro e até de morte.

Em abril do ano passado, outro homem foi preso em frente à casa dela, em Beverly Hills. Ele foi pego pela polícia local usando uma máscara e, em seu carro, havia uma faca. Em dezembro de 2017, foi revelado pela revista Rolling Stone que um software de reconhecimento facial para encontrar e monitorar pessoas que a perseguiam foi usado em um show da cantora em maio do mesmo ano.

A apresentação foi no estádio Rose Bowl, em Los Angeles (EUA). O programa estava instalado em um quiosque na entrada do local que exibia com ensaios de Taylor. Enquanto eles assistiam aos vídeos, uma câmera tirava fotos e as enviava para um posto de comando em Nashville, onde eram cruzadas com um banco de dados em que estão registrados centenas de perseguidores de Taylor.

Leia também: 

Bruna Marquezine cita fala de Taylor Swift para explicar saída do Instagram

Taylor Swift desbanca Despacito da lista das mais vendidas dos EUA