Travessia de highline nas Ilhas Itacolomi, em Balneário Piçarras, é adiada

Piçarras
Foto: Divulgação

Devido à previsão de chuva para este domingo, 17, o Desafio de Highline que aconteceria nas Ilhas Itacolomi, em Balneário Piçarras, será adiado. A travessia deve ser realizada no próximo sábado, 23, às 10h, quando quatro atletas profissionais da região atravessarão em uma fita com 80 metros de comprimento. Para dar ainda mais adrenalina e emoção ao esporte, todo esse percurso será feito a 35 metros de altura, o que equivale a mais do que um prédio de 10 andares.

O que é highline?

Conseguir se equilibrar em uma fita presa pelas pontas há muitos metros de altura do chão é basicamente o resumo do que é o highline. A modalidade é uma versão do sclackline (linha folgada) que surgiu por volta da década de 1980, quando um escalador que estava acampado no Parque Yosemite nos Estados Unidos, esperando por uma janela climática, resolveu andar sob uma das cercas de correntes do parque. Percebendo o potencial, resolveu esticar suas fitas entre duas árvores para praticar melhor. A brincadeira fez sucesso entre os escaladores e o parque passou a utiliza a modalidade como exercício para concentração e equilíbrio. Logo alguns dos atletas resolveram levar a fita para o topo de uma montanha para praticar a centenas de metros do chão, nascendo o highline (linha alta).

Lenda das Ilhas Itacolomi

Dois rochedos no meio do mar que trazem consigo uma lenda. As Ilhas Itacolomi, localizadas em Balneário Piçarras, seriam a representação do casal formado pela índia Açaúna e um homem branco. Reza a lenda que Açaúna, filha do chefe da Tribo Carijó, estava prometida ao chefe dos índios Botocudos, um homem muito mal. Mas ela teria encontrado um homem branco que havia naufragado e estava doente, cuidou dele e se apaixonou. Até que o chefe dos Botocudos veio à tribo para buscar sua noiva, viu ela com outro homem e deu início a uma guerra. Mesmo grávida, o casal se jogou ao mar, durante uma forte tempestade. Dois rochedos puderam ser vistos no horizonte a partir daí, num local onde antes não havia nada. Essas grandes pedras seriam o casal Açaúna e o homem branco que permanecem até hoje de mãos dadas, mostrando que não há nada que separe o verdadeiro amor.

Leia também: Catarinense bate recorde de highline urbano em São Paulo