Treta: Emicida rebate Flora Matos e diz que cantora é mau-caráter

Rappers voltaram a entrar em atrito pelas redes sociais. Fotos: Marina Bernardo / José Holanda/ Divulgação

Os rappers Emicida e Flora Matos voltaram a discutir nas redes sociais nesta terça-feira (27). Pelo Twitter, Flora relembrou discordâncias antigas com o artista e questionou seguidores que estavam incomodados com sua cor de pele: “Por que o Emicida é mais preto que eu?”, tuitou a artista da faixa Preta de Quebrada.

A cantora também respondeu a seguidores que teriam apontado incoerências em seu discurso: “Se meu foco fosse o dinheiro, meu discurso vocês devem imaginar qual seria. O mais descartável possível. Mas eu, na de plantar orgulho no coração de quem me escuta, acabo sendo taxada de afro-conveniente pelo Emicida”, escreveu.

A artista continuou:

“Vejo um monte de comentário aqui de pessoas seriamente incomodadas com o fato de eu ter pele mais clara e me posicionar como preta de quebrada. Desde o dia em que o Emicida semeou essa energia. Algo precisa mudar. E eu não tenho certeza se é meu discurso”.

No Twitter, Emicida se posicionou. Em uma nova postagem, chamou Flora de mau-caráter:

 “Te dei um salve, fiz o que adultos fazem, você sabe como me encontrar e consegue falar comigo a hora que quiser. Mas prefere ficar nessa palhaçada infantil nas redes sociais se fazendo de vítima atrás de like. Achei que você tava confusa, agora tenho certeza, você é mau-caráter mesmo”.

Segundo o jornal Extra, a polêmica entre os cantores começou em fevereiro deste ano, quando Emicida citou cantoras negras que se destacavam no rap. Insatisfeita por ter ficado de fora da lista, Flora questionou o rapper perguntando se ele era “machista esclarecido”. Emicida, então, respondeu a artista dizendo “autoestima de quem não é preto só quando convém”.

Depois da confusão, Flora apagou seus tuítes sobre Emicida.

 

 

Leia mais:

Monalysa Alcântara: negra, nordestina, empoderada e miss

“A mulher negra é alvo de assédio, racismo, preconceito. Tudo precisa melhorar. O que mudou é que nós estamos mais unidas”, diz IZA