Um amor chamado PUG: por que os donos desses cães são tão apaixonados

As amigas Maga Papke e Michele Orsi organizam há cinco anos um encontro de pugs em Florianópolis

Foto Tainah Coimbra/Divulgação

Que o cachorro é o melhor amigo do homem a gente já sabe, mas quem tem um pug parece levar esse ditado ainda mais a sério. Os donos de cães dessa raça costumam ser muito apaixonados pelos seus companheirinhos. Formam, inclusive, círculos de amizades onde o pug é o elemento em comum.

É o caso das amigas Maga Papke e Michele Orsi, que organizaram no último fim de semana o sexto Pugnic em Florianópolis. O evento, que este ano foi inspirado nos grandes festivais como Woodstock, reuniu cerca de 250 pessoas e mais de 130 pugs. Teve cachorrinho fantasiado, desfile e muita troca de carinho.

O que mudou na vida de vocês desde que viraram donas de pugs?
Maga – Até oito anos atrás eu só tinha tido cachorros na casa dos meus pais, mas não existia essa história de cachorro dentro de casa. Até que ganhei o Loui da família de uma amiga. Primeiro ele ganhou um cantinho na sala, depois no meu quarto e depois na minha cama.
Michele – Sempre tivemos pets, gatos e outros cães, desde 2013 temos quatro pugs, o famoso quarteto: Marie, Sushi, Habib e Pepeu. Eles fazem a alegria da casa, cada filho tem o seu, dividimos cuidados e multiplicamos carinho. É incrível como os cães têm o poder de agregar e nos apresentar novos amigos.

De onde surgiu a ideia de promover um encontro de pugs?
Maga – Há cinco anos fizemos o primeiro Pugnic. Foi um encontro informal, combinado pelo facebook, onde conheci a Michele. No segundo já alugamos uma chácara para os pugs ficarem mais soltos e poderem brincar. Fomos buscando parceiros para deixar o evento cada vez mais profissional. Nossos últimos encontros foram temáticos: Arraiá Pug, Pug Stars (inspirado em personagens de cinema), Copa Pug e agora o Pugstock, um festival de fofuras.

Por que os donos de pugs são tão apaixonados por seus animaizinhos?
Maga –
Todos os donos de pets são apaixonados, mas para nós o pug é muito amoroso, simpático, extremamente dócil. Eles atraem olhares, despertam sorrisos, pedem carinho o tempo todo. Isso faz amigos. Temos grupo de WhatsApp e essa troca é divertida, faz a vida mais leve.

Quais os benefícios para quem convive com um animal?
Maga
– Pets em geral nos fazem bem, quando se fala em pugs se fala em cão de companhia, eles não gostam de ficar sozinhos, são muito parceiros, têm o poder de alegrar, são criaturas muito especiais, adoram crianças e são extremamente carinhosos. Toda família que tem pug e criança sabe da sintonia que existe entre eles. Temos uma amiga que foi diagnosticada com síndrome do pânico e depressão e a chegada do pug nesse momento da sua vida fez muita diferença no tratamento.

Como lidam com as críticas que muitos fazem à raça e a propensão a desenvolver algumas doenças?
Maga –
Já fomos mais preocupadas com isso, hoje procuramos não focar nessas questões. Quem questiona nunca teve contato mais próximo com a raça. Os pugs têm tantas qualidades, vivem bem como qualquer outro cão, não podemos julgar como um problema da raça quando se trata de uma minoria. Características inerentes aos braquicefálicos (cães de nariz achatado) abrangem uma infinidade de raças. A raça pug existe há séculos, se pesquisarmos vamos encontrar muitas referências, é originária da China, cães de focinhos e pernas curtas, e só foi denominada Pug na Grã Bretanha no século XVI, então faz um bom tempinho que os gordinhos fazem parte da vida de muita gente. E sobre as doenças elas não são exlclusivas dos pugs, outros animais também têm problemas, e quem ama cuida.

Foto Tainah Coimbra/Divulgação

Leia também:

Fim de semana terá sexta edição do encontro de pugs em Floripa

Pablo Rossi fala sobre rótulo de menino prodígio e papel social da música

Uma leitura cuidadosa da Bíblia em busca de “fakes”