Agosto é a mês da vacinação contra a raiva

Campanha nacional incentiva a imunização de cães e gatos, única forma de prevenir a doença

vacina contra raiva
Foto: Cão.com/Divulgação

A raiva é incurável e pode ser transmitida dos animais para o homem. Devido a sua gravidade e ao risco de contaminação, todos os anos em agosto acontece no Brasil uma ampla campanha nacional de incentivo à vacinação, única forma de prevenção. Obrigatória no país, a vacina deve ser aplicada uma vez por ano em cães e gatos.

Segundo o médico-veterinário Luciano Granemann e Silva, sócio-proprietário da Clínica e Hospital Veterinário 24h Cão.Com, de Florianópolis, embora a doença esteja controlada, não foi erradicada, por isso a necessidade de continuação de ações como essa.

A vacina pode ser aplicada em cães e gatos a partir de 12 semanas de vida. São poucas as contraindicações: animais prenhes, com severa debilidade física ou que apresentem forte reação alérgica.

A raiva é contraída através da saliva de um animal infectado, através da mordedura, arranhadura e lambedura em ferimentos ou mucosas. Os principais transmissores em áreas urbanas são cães, gatos e morcegos.

— A doença afeta o sistema nervoso central e entre os sintomas mais frequentes estão mudanças de comportamento, agressividade, hipersalivação e paralisias — explica Luciano.

Onde vacinar

A vacina antirrábica é encontrada em clínicas veterinárias. Luciano alerta para os cuidados na hora de escolher o profissional e o local onde ela será administrada.

— A recomendação é que seja sempre aplicada por um médico-veterinário. É importante também checar a sua forma de armazenamento. São organismos vivos muito sensíveis a variações — orienta.

O que fazer em caso de mordida ou suspeita de raiva?

Caso o tutor desconfie que seu pet esteja com sintomas de raiva, recomenda-se o confinamento e a comunicação imediata à autoridade pública.

— Se ele for mordido por animal de rua ou outro cão com suspeita de raiva, deve ser levado a uma clínica veterinária para tratar as feridas e, caso não seja imunizado, realizar exames — aconselha o médico-veterinário.

Leia também:

Cão pega gripe? Doença pode afetar os pets e é mais comum no inverno