Verão exige cuidados com a saúde íntima. Saiba como se proteger

Os fungos e bactérias encontram no calor e na umidade dessa época o ambiente perfeito para sua proliferação

saúde íntima
Foto: Pexels

A chegada do verão, associada à temporada de praias, aumenta consideravelmente as queixas ginecológicas das mulheres. Ocupando o primeiro lugar, os fungos e bactérias encontram no calor e na umidade dessa época o ambiente perfeito para sua proliferação e desenvolvimento. Junto com esse habitat ideal, os biquínis sintéticos não favorecem a transpiração da região genital, configurando um importante fator de piora do quadro.

Na presença de corrimento vaginal, muitas mulheres aumentam a quantidade de banhos diários e exageram no sabonete, contribuindo para retirada da proteção natural e mantendo o ambiente vaginal desfavorável.

Dicas para evitar problemas

• Não fique de biquíni molhado e nem use biquíni o dia inteiro. Roupas leves e calcinha de algodão permitem um ambiente vaginal menos úmido e abafado e são as mais adequadas.
• Não tome banho excessivamente. Isso não faz bem nem para a pele, nem para o cabelo e muito menos para a vagina. Use sabonetes neutros, preferencialmente sem perfume, e água corrente. Evite duchas vaginais, inclusive após a relação sexual.
• Lave as roupas íntimas idealmente, com sabão de coco ou a base de glicerina, nunca com amaciantes ou alvejantes, e deixe-as secar em ambiente arejado, nunca penduradas no box ou dentro do banheiro.
• Se estiver menstruada, troque o absorvente, independentemente de interno ou não, mais vezes ao dia – pelo menos a cada quatro horas – e evite os com perfume.
• A principal queixa dessa época do ano é a candidíase, e já é sabido que uma dieta desequilibrada, rica em carboidratos, é um fator de risco para o aparecimento e manutenção da doença. Portanto, alimente-se adequadamente.
• A frequência de relação sexual também aumenta nessa época do ano, e o uso do preservativo deve ser sempre lembrado. Além da candidíase, não esqueça das doenças sexualmente transmissíveis.

Os principais agentes etiológicos são as bactérias da própria vagina, as bactérias intestinais e os fungos. Dependendo da infecção, os sinais e sintomas serão diferentes e devem ser avaliados pelo médico.

Nunca, em hipótese alguma, se automedique. O exame físico é fundamental para o tratamento adequado da doença, evitando a piora do quadro, a resistência medicamentosa, os vários tratamentos e as infecções de repetição. Além disso, o tratamento incorreto pode mascarar doenças graves que, se forem tratadas adequadamente, podem ser curadas.

Leia mais colunas de Dra. Luísa Aguiar