Versar 11: jornalismo e a pergunta angustiante, qual é a pauta?

O jornalismo tem uma pergunta angustiante. Qual é a pauta? Para a edição deste fim de semana (11 e 12/11), queríamos uma reportagem sobre o universo fitness. , mas qual é a pauta? A resposta costuma ser: vamos contar as novidades nas academias.

Beleza, mas qual é a…? Seguimos com a indagação por dias. Procuramos por especialistas na área, pesquisamos o tema e voltamos à discussão. No caso da nossa reportagem de capa, a apuração apontou para o crossfit. Como editora, só poderia pensar: de novo? Há algum tempo, a atividade é sucesso em Santa Catarina e no Brasil.

Então, lá vem ela: qual-é-a-pau-ta? Nem sempre a gente acerta, mas a tática de espancar o tema e ver se, depois da surra, ele segue de pé costuma funcionar. A resposta para a obsessiva questão jornalística não é: a febre do crossfit. Mas avança para como a atividade, se adotada de maneira frequente, influencia na saúde e no corpo humano.

Mais do que embarcar no frisson dos apaixonados pela série de exercícios de alto impacto – de fato, o crossfit traz resultados – buscamos observar também o contraditório da atividade. Porque ele é real. Não se iluda. Está ali à espreita, em tudo que nos rodeia, no aguardo de uma brecha.

O jornalismo existe e é essencial, exatamente, porque vive da fiscalização constante do que não está à luz; dele mesmo, o contraditório. O resto – vocês sabem a internet já popularizou – é publicidade.

Leia também
Google e jornalismo: há coisas que só um repórter pode fazer pelo leitor

Humildade e boas surpresas na vida nunca são demais