Saiba como viajar pelo mundo com tudo pago e promovendo ações sociais

Além das despesas pagas, projeto World Life Experience dá salário de US$ 2,5 mil por mês

Tailândia é um dos destinos do projeto. Foto: Ariel Camargo/Divulgação

Viajar pelo mundo e ainda contribuir com ações relevantes em diferentes locais é a oportunidade que muitos mochileiros gostariam de ter. O projeto World Life Experience propõe um intercâmbio por vários países, com todas as despesas pagas e salário mensal. A missão é promover sustentabilidade social nas comunidades visitadas.

As inscrições para a segunda edição do projeto seguem até 20 de julho. Os interessados em percorrer 20 destinos, conhecendo sociedades e culturas diferentes além de desenvolver trabalho social em ONGs podem se candidatar-se às vagas aqui. Além de ter despesas pagas durante um ano com viagens, transporte, alimentação, seguros e alojamento, os voluntários do projeto ainda ganham US$ 2,5 mil por mês.

Agendada para começar em 15 de janeiro de 2019, a segunda edição terminará em 27 de novembro de 2019. Os destinos estão espalhados pelos cinco continentes: Brasil, Uruguai, Argentina, Chile, Peru, Colômbia, Costa Rica, Portugal, Espanha, Holanda, Alemanha, República Tcheca, Grécia, Tailândia, Camboja, Malásia, Indonésia, Japão, Austrália e África do Sul. A estadia em cada cidade será de duas semanas: seis dias para explorar cada destino, seis dias para trabalho voluntário em ONGs e três dias de descanso.

Um grupo de 11 pessoas, de distintas nacionalidades, já está participando da primeira edição do projeto. Elas se envolveram com trabalhos de 14 ONGs situadas em cidades europeias e asiáticas, contribuindo voluntariamente para causas relevantes: conviveram com populações pobres e crianças em situação de risco, auxiliaram refugiados e colaboraram em projetos de reconstrução e de preservação ambiental.

Integrante da primeira edição, Hugo Piñón está na expectativa para fazer trabalho voluntário agora no continente americano.

— Esta viagem está sendo incrível. Já estivemos em diversos países europeus e na Tailândia, Vietnã e Malásia. Iremos para o continente americano e estamos na expectativa porque continuaremos a ajudar na transformação social das comunidades que encontramos — disse.

Arianny Orellanes, que vivia na Flórida, nos Estados Unidos, antes de iniciar viagem, conta que a experiência se transformou no “melhor emprego do mundo”.

— Estou viajando de forma socialmente sustentável. Entro em contato com sociedades e culturas diferentes, nas quais trabalho e, ao mesmo tempo, tenho experiências intimistas, ao lado de pessoas entusiasmantes.

 

 Leia mais: