Vitor Kley lança novo álbum com canções inéditas que têm relação com Santa Catarina

O gaúcho que aos 11 anos veio morar em Balneário Camboriú foi apadrinhado por Armandinho e segue um estilo praiano

Foto: Divulgação

Vitor Kley acaba de lançar em todas as plataformas digitais seu novo álbum, Adrenalizou. São 12 canções, cinco inéditas, um remix e uma versão acústica, totalizando 14 músicas. O gaúcho que aos 11 anos veio morar em Balneário Camboriú foi apadrinhado por Armandinho e segue um estilo praiano, agora sobre a supervisão de Rick Bonadio, conhecido por lançar bandas como Mamonas Assassinas e Charlie Brow Jr.

O novo trabalho segue o estilo do jovem artista, que em recente entrevista para a Revista Versar falou sobre sua ligação com a praia e o surf music.

Leia também: Conheça Vitor Kley, o jovem de Balneário Camboriú que desbancou Anitta

— Vivi grande parte da minha vida na praia, no surfe, nessa vibe e naturalmente isso foi ficando evidente na minha forma de compor, de tocar o violão.

O certo é que você escuta cinco segundos de qualquer música de Vitor Kley e reconhece a autoria da canção. Independente do gênero, ou se a música é mais orgânica ou mais eletrônica – é absolutamente inconfundível a assinatura do artista.

O disco abre com o hit O Sol, que mesmo sendo considerada a canção de 2018, ainda merece novas análises, como ouvi-la pelo viés da dinâmica que propõe a cada camada da canção.

Morena, outro enorme sucesso, que divide com um dos principais artistas da música eletrônica hoje, Bruno Martini, vem na sequência e reforça o conceito de que tanto faz a cama, orgânica ou eletrônica, a assinatura de Vitor estará lá, inconfundível.

— Acho demais perceber que meu violão, composição e voz são essenciais para esse resultado. Todo artista busca essa identidade, ser de algum jeito uma referência. Que as pessoas ouçam uma parada e falem: ‘isso é bem Vitor Kley’—, diz o cantor.

Seguem Adrenalizou e mais três inéditas. Marambaia, uma balada pop roqueira com violão que vai do solo flamenco para latino, faz relação com o pico do surfe em balneário Camboriú. Como se Fosse Ontem mistura dedilhado de violão com beat eletrônico e loop de baixo e bateria, e Bem Te Vi é uma parceria com Kell Smith. Nesta, entre o violão e a batida eletrônica, os dois brincam de cantar, com Kell abrindo com vocal poderoso e emendando em métrica rap sem perder o beat da música e os dois vocais se misturando em harmonia.

Farol, uma balada de violão, arranjo de cordas e piano, Onde Você Está, dona de baixo funkeado sobre violão e batida eletrônica, e Armas a Nosso Favor, quase um reggae/ska, emendam no álbum e ganham nova produção de Rick Bonadio, que assina também a direção artística.

Flor é a quinta inédita, uma balada suave de violão, piano e bateria. Dois Amores, com sua pegada reggae e alto-astral e A Noite Cai, que segue mais para o pop rock, fecham a dúzia do álbum. Versão remix de Apollo 55 de O Sol e acústica de Morena completam as 14.